Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

09
Out17

Entrada que pode ser prato principal: Húmus de Brócolos com palitos de cenoura assada


Leonardo Rodrigues

image1 (3).jpeg

 

Mentiria se dissesse que na cozinha não tenho vários ingredientes obrigatórios, quase obsessões. Existem alguns que não combinam juntos, mas há outros que quanto mais juntinhos melhor, o que culmina sempre em algo entre o puré e o húmus. Mentiria mais se dissesse que planeio a maioria das refeições, em vez de criar uma forma de adaptar o que há, ou pode ser comprado na mercearia lá de baixo. E é a grande verdade desta interpretação do húmus. 

 

image5.jpeg

Para moer esta combinação, os ingredientes necessários: grão de bico cozido, tomate, cebola e brócolos. O tempero: azeite, vinagre balsâmico, alho, sal, pimenta preta e caril. Para os palitos de cenoura, é só temperar com sal, azeite, pimentão doce, alho e oregãos, e levar ao forno. Para tornar isto digno de almoço, adicionei pão de centeio.

Não gosto de estabelecer regras, especialmente quanto a quantidades. O que se deve almejar sempre é um equilíbrio, tendo em conta a textura que pretendemos e o sabor. Se quiserem fazer isto com mais consistência, podem, por exemplo, retirar o tomate. Se quiserem um sabor mais suave, usar limão em vez de vinagre e retirar o caril. Enfim, uma infinidade de combinações. 

image2 (1).jpeg

Espero que o #CHEFLÉO vos tenha conseguido causar salivação, com outra receita vegan. Para não perderem nem uma pitada de sal, o melhor mesmo é ficar atento ao Facebook e Instagram.

 

05
Out17

McDonald's, assim se faz um hambúrguer vegetariano


Leonardo Rodrigues

IMG_0726.JPG

Encerrei o meu último dia de praia com uma loucura, fui ao McDonald's testar a alternativa vegetariana aos hambúrgueres de carne e peixe. 

Há cerca de 6 anos que não comprava nada, além de um gelado, num restaurante da marca, devido à minha escolha alimentar. E fiz muito bem. Além da grande quantidade de sal que os produtos têm, este hambúrguer deixa muito a desejar. 

É muito engraçada a expressão que diz algo como: "ir ao McDonald's comer uma salada, é o mesmo do que solicitar a uma profissional do sexo um abraço". Contudo, se esta cadeia quiser captar o interesse deste segmento crescente, necessita de mais e melhores alternativas.

Como muitos dos males vêm por bem, decidi partilhar convosco uma das minhas últimas aventuras culinárias, um hambúrguer de quinoa e grão de bico. Mas claro que não podia ser feito apenas com estes ingredientes. 

IMG_0735.JPG

Ingredientes principais: quinoa, grão de bico, cogumelos frescos, cenoura, cebola, tomate, azeitonas pretas e milho doce. Temperos: caril, alho, pimenta preta, salsa, azeite e oregãos frescos.

Modus operandi: Cozer a quinoa, com o dobro de água, até evaporar completamente. Partir cogumelos frescos, cenoura, cebola, tomate em quadrados. Juntar milho doce, azeitonas e a quinoa cozida. Triturar a maior parte desta mistura, colocando uma pequena porção de lado - servirá para dar textura. Com a água bem escorrida, triturar o grão com salsa até ficar numa pasta bastante consistente. Por fim, é só colocar tudo no mesmo recipiente, adicionar os temperos, misturar e moldar os hambúrgueres. Vai ao forno a 180 graus durante sensivelmente meia hora.

Nota: eles ficam ligeiramente húmidos, mas, caso sintam que não tem uma boa consistência, podem sempre adicionar uma farinha à vossa escolha

 IMG_0727.JPGIMG_0733.JPG

Desta vez, e por estar a ter mais atenção ao que como, servi com pão integral biológico do Lidl e uma salada de rúcula, espinafres, tomate e pinhões. 

A receita é versátil e, como tal, podem adaptar a vosso gosto, com os vossos ingredientes preferidos.

 

Não percam pitada deste blog, acompanhem pelo Facebook, aqui

 

 

 

 

22
Fev17

E que tal sushi vegetariano, com carne do monte?


Leonardo Rodrigues

Lembro-me perfeitamente daquela vez em que tive um jantar de sushi quase romântico. Só não o foi porque as minhas peças de sushi acabaram demasiado rápido. Afinal só haviam duas opções adequadas a mim e um restaurante depressa fica sem manga e abacate. A  realidade é que a cozinha pode sempre ser muito mais. O sushi pode ir além do peixe. E, melhor, pode ser feito com a carne do monte: os cogumelos. Recentemente  descobri uma receita deliciosa no site Olives for Dinner que decido agora partilhar.

sushi veggie.jpg


Tempo total: 1h30m| Cozedura: 90 min | Peças: 4/8

 

Arroz de sushi:

1 chávena de arroz para sushi
2 chávenas de água
1 colher de chá de vinagre de arroz
1 colher de chá de açúcar
1/2 colher de chá de sal

Cogumelos
2 chávenas de cogumelo cardo cortado em rodelas. Tire o topo, corte cada em 4 a 6 peças, e mergulhe em água morna por cerca de 20 minutos.
1 ovo
1 chávena de maizena 

Óleo

Molho
1/2 chávena de maionese
1 colher de sopa de sriracha -  molho de malagueta, alho, vinagre, sal e açúcar, a gosto.

Empratar

4 folhas nori torradas
4 colheres de sopa de sementes de sésamo preto(opcional)
1 abacate em fatias picadas

 

Modus Operandi

1. Uma vez cozido o arroz, temperar com vinagre de arroz, açúcar e sal. Deixar arrefecer.

2.Para fritar os cogumelos, coloque óleo em abundância numa panela em lume médio alto. Leva 5 a 7 minutos para que o óleo esteja pronto. Enquanto espera, coloque um quarto dos cogumelos no ovo e retire o excesso. De seguida coloque a maizena, suavemente pulverizada com as mãos.

3.Teste o óleo com uma pitada de maizena. Se chiar logo está pronto para fritar. Retire qualquer excesso e coloque a fritar até ficar dourado - não mais de 3 minutos. Coloque os cogumelos fritos em papel para drenar o excesso de óleo, enquanto repete o processo para os restantes cogumelos. 

4.Para montar os rolos, divida o arroz arrefecido em 4 porções. Cubra o tapete de sushi com com um plástico. Coloque uma folha de nori - lado brilhante para baixo. Humedecer os dedos com um pouco de água para evitar que o arroz fure. Em seguida espalhar o arroz uniformemente sobre uma folha nori, deixando uma pequena parte sem nada no topo. Polvilhe com uma colher de sopa de sementes de sésamo. 

5. Divida os cogumelos em 4 porções. Regue uma porção com o molho até uniformemente revestido. Com a extremidade sem nada distante de si, forme uma fina linha de cogumelos até ao lado mais próximo, adicionando um par de fatias de abacate. Enrole o sushi para longe, segurando o tapete firmemente, mas com cuidado.

6. Uma vez enrolado, sele o fim com água. Agora corte o rolo ao meio com uma faca muito afiada e depois cada metade em metades. Repita novamente se quiser servir 8 peças. Colocar os cogumelos que sobraram no topo.

7. Repetir processo para fazer outros 4 rolos. Finalizar com cebolinho picado.

 

Os produtos para fazer sushi podem ser encontrados, por exemplo, no Lidl - última vez que fiquei surpreendido num supermercado. Espero que este post sirva de inspiração e que permita muitos jantares a dois, mas mesmo só a dois, longe dos restaurantes. 

 

sushi 2.jpg

Fotos e receita: Olives for Dinner

 

01
Fev17

Os vegetarianos não afastam a carne do prato


Leonardo Rodrigues

food-plate-rucola-salad.jpg

 

Deveria ser um tema datado, mas, mesmo neste novo ano de um século que tudo prometia, temos de continuar a discutir tudo como se fosse novidade.

 

Há duas mãos cheias de anos, ainda no secundário, motivado por livros maravilhosos que me chegaram às mãos, decidi que iria abandonar por completo o consumo de carne. Até hoje, acho que foi das melhores decisões que tomei. Na altura não foi fácil, nem em casa, nem na escola. Tive que aprender a cozinhar aos 14 - era isso ou continuar a afastar a carne dos pratos.

 

Afastar a carne da restante comida é algo que me continuam a sugerir, as piadas - com frango, fiambre, McDonald's e até sexuais - são as mesmas e o escrutínio do vegetarianismo continua. Quem diz vegetarianismo, diz sofrimento animal, alterações climáticas e muitos etc's.

 

Pedem-me continuamente que argumente, nem sempre tenho vontade. Se vir que estão a partir de um ponto de vista trocista, muito menos. Há uma frase de OSHO que gosto muito e que, de alguma forma, sintetiza a razão principal para o vegetarianismo.

 

A vida deseja prolongar a si mesma; o animal não morre de boa vontade. Se alguém o matar, você não irá morrer de boa vontade.

 

Além de mortes pouco dignas, os animais, até à morte, são criados em condições deploráveis - danosas para o meio ambiente e para a saúde de quem os consome. Penso também que se deus quisesse realmente que a nossa alimentação incluísse a carne, para quem usa este argumento, a mesma seria inanimada, cresceria em árvores e não possuiria sistema nervoso central.

 

Não espero que o mundo mude de um dia para o outro nem impingir um modo de vida. Nada deve ser feito assim. Gostava apenas que houvesse respeito mútuo e que todos procurassemos opções mais conscientes, no que diz respeito à sua própria saúde e ao meio ambiente.

 

As opções e combinações são imensas, tanto em casa como fora - muitos restaurantes no Porto já oferecem francesinhas vegetarianas, imaginem só. Quanto ao preço, muitas vezes é mais barato. Mantenham-se curiosos e atentos a futuras receitas a publicar aqui no blog.

13
Mai16

Cresci na Cozinha


Leonardo Rodrigues

Ainda agora comecei o post e já tenho de me corrigir, Cresci em várias cozinhas, essencialmente em 3. A principal é a lá de casa, na Madeira, uma cozinha que é mais sala do que a própria sala. É a entrada e a saída. Quando lá vivia, funcionava como um género de ponto de encontro, onde comíamos, conversávamos, discutíamos, ríamos e chorávamos. (Não admira que seja um emotional eater, Cresci, mesmo, na Cozinha.) Aqui estavam as caminhas dos cães - um dos problemas para conseguir chegar à escola com a roupa sem manchas, como vos contei aqui. E, era por lá que tinha de passar obrigatoriamente para chegar aos quartos, ao quintal e à casa de banho. Tive de me deixar do lema que afirma que todos os caminhos vão dar a Roma, a minha casa ensinou-me que todos os corredores vão dar à cozinha. Em segundo lugar, está a cozinha da minha avó. Agora que penso nisto, as nossas casas tinham todas plantas bastante estranhas. A sala como que ficava fora de mão, então era na cozinha que liam o jornal, que eu devorava desenhos animados, tentava falar apaixonadamente de coisas que não dominava e que, inevitavelmente, presenciava a minha avó a fazer magia. A magia assumia a forma de bolos que perfumavam as ruas, do milho com couve que tinha de repousar nos pratos, a espetada no forno a lenha, e, por fim, a sopa - escrevi sapo, ando claramente a passar demasiado tempo por estas bandas. Ai a sopa. A sopa que aquela mulher fazia permitiu-me ser daqueles miúdos que nunca fizeram uma birra para comer legumes. Para terminar com isto das minhas 3 cozinhas, temos a a cozinha mais interessante de todas, uma industrial - fascinava-me na altura. Foi aí que a minha mãe, conjuntamente com umas 15 mulheres, tirou 3 cursos de culinária. Se pensam que por isso comi melhor, enganam-se, só mesmo nas provas do final de cada aula. A minha mãe pura e simplesmente não cozinha em casa, essa tarefa ficou para a minha tia.... Sempre gostei de comer e de ajudar na confeção dos pratos, mas, com 15 anos, vi-me na obrigação de também começar a cozinhar só para mim. Isto, porque com esta idade comecei a ter contacto com certo tipo de literatura, como OSHO, algo que me fez optar pelo vegetarianismo. Aí, tornei-me mestre em manipular um certo ingrediente. Porquê contar-vos isto tudo e parar aqui? Porque, meu caros, a Mula mais querida atualmente a habitar este planeta convidou-me a participar numa edição da rubrica "na cozinha com", pelo que esta história acabará por lá. Vou ter uma quarta cozinha na minha vida e, pela primeira vez, fica num curral. Prestem atenção às vossas "Leituras".

fotografia.JPG

 Fotografia tirada no RDA, pelo Rui - tenho tanto sono que hoje nem edições se me dignei a fazer.

14
Out15

Recreativa dos Anjos, RDA para os amigos


Leonardo Rodrigues

image.jpeg

 @ruidiasmonteiro

 

Não é um bar, muito menos um restaurante, as placas sobre os balcões assim o deixam claro. No entanto, é pela comida que se sabe da existência da Recreativa dos Anjos e é pela comida que lá se volta. O que importa esclarecer, logo no início, é que existem bastantes mais razões para entrarmos no número 69 da R. Regueirão dos Anjos.

 

As paredes, que dão corpo à garagem onde se localiza o RDA, preconizam que o recheio há de ser ótimo, diferente e cheio de cor.

 

Em Lisboa, e começando por falar na comida, dificilmente se conseguirá comer tão bem, em qualidade e quantidade, por tão pouco. Lá, com quatro euros, podem comer uma deliciosa sopa - nada que ver com a água colorida servida em muitos restaurantes - , um prato principal e uma cerveja - que, mesmo não sendo a única bebida em stock, parece ser a mais apropriada.

 

Numa primeira ida ao RDA podem surgir as seguintes questões: Servem à mesa? Aceitam multibanco? Posso mesmo entrar para ir buscar a cerveja? Terei mesmo de lavar a loiça que sujar? E, algo que se deve perguntar sempre, há café? Não, não, sim, sim, não, são as respetivas respostas.

 

Depois de esclarecido o elementar, na segunda visita, as questões são menos técnicas e mais teóricas, quem são e qual o objetivo? Entre amassar a base da pizza e limpar a polpa de tomate entornada, um dos voluntários do Forno Comunitário respondeu que são uma associação constituída por vários grupos recreativos, e que estes tomam conta do espaço em diferentes dias da semana. Quanto ao objetivo, tem tanto de simples como de complexo: mostrar que há uma alternativa - se não total, parcial - ao capitalismo desenfreado que se vive nos nossos dias. Coisa que os próprios reconhecem limites, "os alimentos que aqui estão tiveram que ser comprados em algum sítio".

 

Se há algo que não tem limites é um sorriso no rosto com que somos recebidos e um espírito de entre-ajuda sem igual que se observa. Falam com toda a gente como se fossem amigos de há muito. Há quem veja os integrantes do projeto como hipsters, mas a própria palavra está mais em voga do que aquilo que significa, o que eles são é livres. Ou, pelo menos, tentam, fugindo ao sistema de coisas.

 

É de notar ainda um cão e um gato bem dispostos, que muito diplomaticamente partilham o espaço, seguindo assim as pisadas dos donos. Só lhes falta falar.

 

Quem frequenta o espaço, à semelhança dos que lá são voluntários, vêm de todos os lados e vestem-se de forma diferente, na fila tanto pode estar um senhor todo engravatado, como alguém descalço. Mesmo pertencendo a um grupo, não se homogenizaram, e isto é prova do tal conseguir fugir, ainda que parcialmente, ao capitalismo.

 

Se lá forem num domingo ou numa segunda terão a Recreativa do Forno Comunitário dos Anjos para vos receber. Em ambos os dias o prato principal é pizza, cabe ao freguês escolher os ingredientes que lá quer colocar. No que à confeção diz respeito, e isto para os mais entusiastas, têm a possibilidade de meter as mãos na massa, com o apoio de um voluntário. O objetivo é dar a conhecer a todos como utilizar um forno e ensinar a fazer pão. A ideia fundadora do projeto remonta de há muito, quando nem todas as casas tinham forno, então, no centro das aldeias, existiam um forno que poderia ser utilizado por todos, o forno comunitário.

 

De Terça a Sexta a confecção dos pratos passa a ser da responsabilidade dos voluntários da Cantina Cooperativa, embora as atividades fiquem a cargo de outros.

 

Seguindo a ordem dos dias da semana, na terça, para além da Cantina Cooperativa, é dia da oficina de computadores - coletivo 1000101 - tomar conta da garagem. Estes têm como missão promover a auto manutenção informática e a utilização de software livre. Se lá levarem o vosso computador avariado alguém há de resolver o problema e, mais importante que qualquer outra coisa, de forma gratuita.

 

As quartas feiras pertencem à Cicloficina dos Anjos que, para além de repararem bicicletas de forma gratuita, vão ensinado a quem por lá passa a arte para que depois também o possam fazer em casa.

 

A Associação Terapêutica do Ruído, terceiro recreativo, descreve-se como uma entidade devota aos efeitos terapêuticos do mesmo. Segundo a sua página, o ruído em doses elevadas permite a libertação das tensões e frustrações do dia a dia. Se passarem pela Recreativa no último sábado de cada mês se poderão experimentar uma libertação total, muito ruidosa.

 

Por último, mas não com menos importância, temos o recreativo do Bookbloc, que organiza uma discussão quinzenal e aborda essencialmente duas grandes temáticas: a cidade e o feminismo. Para abordar estas temáticas utilizam sempre um texto ou um filme como base.

 

Este mês, para além do que acima foi escrito, haverá ping-pong às quintas e boxe ao sábados. A agenda, que é bem mais vasta e onde constam atividades como workshops e tertúlias, pode ser encontrada no blog da Recreativa ou na sua página do Facebook.

 

Não se admirem por de lá sair com um sorriso nos lábios, talvez seja da companhia, talvez seja da comida maravilhosa que não esvaziou os bolsos, talvez seja por outra coisa qualquer.

 

image.jpeg

 

image.jpeg

 

 

 

 

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Lugares

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D