Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

31
Jan18

Etiqueta de supermercado: "Deixei aqui o meu carrinho"


Leonardo Rodrigues

shopping-2613984_1920.jpg

Ir ao supermercado e andar de transportes públicos em Lisboa é uma maravilhosa experiência sociológica. A última aconteceu ontem.

Chegou, na prática e na teoria, a minha vez de colocar as coisas no tapete, sendo que não havia alguém à minha frente - apenas um carrinho que cuidadosamente afastei depois de olhar à volta. Após preencher o tapete, sou abordado por um iluminado de cabelo lambido e polo da Tommy Hilfiger, ao telefone. Com uma cara muito pouco convidativa, diz-me: "Estava aqui um carrinho, deixei aqui o meu carrinho".

Pois estava, um carrinho abandonado e uma fila que não dava a volta ao supermercado por sorte. Respondi-lhe prontamente "Um carrinho não é uma pessoa, e você não estava, mas por gentileza deixo-o passar". A criatura não agradeceu e ainda empurrou o início do que ia comprar. 

Deixar um carrinho abandonado não é uma ideia funcional. Vamos supor, exagerando, que estão 100 pessoas dentro do supermercado e duas caixas abertas. São 50 carrinhos para cada caixa. Será que é prático deixarmos lá os carrinhos à espera, sendo que toda a gente tem velocidades e quantidades diferentes para comprar? Será que é justo o carrinho dar tanta prioridade como uma idade avançada? Não é.

Trata-se apenas de ter o bom senso de ir para uma caixa quando já acabámos as compras. Como se diz em bom português, na Madeira: quem foi a São Martinho perdeu o seu cantinho.

Ontem tinha tempo, e o madeirense que há em mim não veio cá para fora. E, na realidade, só tenho de educar a minha cadela. Não me custou muito respirar fundo, enquanto observei alguém que se acha dono do mundo a comprar uma seleção de artigos cuidadosamente escolhidos pelo seu alto teor de açúcar.

06
Jan18

Os veganos, vegetarianos e fãs dos biológicos dão os parabéns ao Aldi


Leonardo Rodrigues

Há muito que no regresso do trabalho olhava para o Aldi e, ainda há mais tempo, ouvia as coisas maravilhosas que o mesmo tem para os vegetarianos, a preços acessíveis. 

Como a minha alimentação assenta muito em hortaliças,  leguminosas, frutas e cereais, que confeciono de diferentes formas, muitas vezes transformando por completo o alimento, acabo por comprar tofu, invenções com a soja, entre outras coisas, muito pontualmente.

Sim, um dos fatores pelo qual opto por fazer as coisas de raiz tem que ver com o preço do produto transformado e rotulado como "saudável", biológico, etc. Geralmente o pensamento é, se podes fazer por 1/4 do preço, porque vais pagar muito mais? É por isso que me perco, por exemplo, a fazer hambúrgueres de grão

A gigante alemã está a preencher esta lacuna, com o lançamento de diversas gamas de produtos veganos e vegetarianos, assim como biológicos, aproximando os preços de artigos sem este selo. Das almôndegas ao creme de barrar, do pão à bebida de espelta. Até uma versão vegetal do fiambre existe. Ótimos artigos que não mexem muito na fatura.

Tudo indica que, à semelhança de outros países, esta gama seja para expandir. A justificação: "porque pediram". Os números indicam que houve um incremento de 400%, em 10 anos, de vegetarianos em Portugal, algo que certamente será tido em conta. 

Aqui está parte da remessa, com selo vegan ou vegetariano, de ontem:

image.jpeg

 

Podem acompanhar o blog através do FacebookInstagram e Twitter

 

 

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D