Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

03
Ago17

As praias mais exclusivas da Madeira


Leonardo Rodrigues

IMG_0187.JPG

A Madeira, além de um jardim, é também um fantástico destino de praia. Aliás, a Pérola do Atlântico, é um destino para tudo e para todos, bem como o seu microclima. 

Há quem pense que as pedras, em vez da areia, podem ser um incómodo maior do que realmente é. Mas, até mesmo para esses visitantes, há solução. Importámos areia da ilha vizinha, o Porto Santo, e agora também temos praias de areia amarela. Além destas "artificiais", e as de pedra, pode-se escolher entre areia escura, piscinas naturais, as dos hotéis e mais umas quantas praias pagas. 

Mas não é de nenhuma destas que vos quero falar hoje. Quero falar-vos de duas praias apenas descobertas, por mim, agora. Fazem parte do mesmo trilho e chamam-se Baía D'Abra e, um pouco depois, o Cais do Sardinha.

Há necessidade de se deslocarem a um dos extremos da ilha de carro, ou autocarro, pertencente ao Caniçal, a Ponta de São Lourenço. 

Sendo que têm muito que caminhar, uma vez no ponto de partida, se não levaram mantimentos, podem comprar na food truck que se encontra junto ao início deste percurso, até a um dos extremos da ilhas. Felizmente, ele lembrou-se de comprar água ou teríamos todos ficado lá em baixo com a desidratação.     

20184908_443848329319680_9036021822486740992_n.jpg

Há necessidade de caminhar sensivelmente uma hora, ou mais, caso seja impossível não parar de contemplar as paisagens sublimes que só a natureza quase intocada pode proporcionar. 

20479138_108070199869577_4943246073360547840_n.jpg

É um percurso exigente, mas bem sinalizado. Como tem apenas uma faixa, garanto que não há como errar.

Embora um grupo tenha conseguido construir um aldeamento turístico com marina, a Ponta de São Lourenço é uma área protegida. Além das vistas estonteantes, para os amantes da natureza, terão a oportunidade de conviver pacificamente com mais de duzentas espécies que povoam a zona. 

Depois da espera muito aguardada, chegam às águas mais límpidas e cristalinas que a maravilhosa Ilha da Madeira pode oferecer. Primeiro na Baía D'Abra, depois no Cais do Sardinha.

Graças a uma ótima temperatura da água de verão, é só entrar, e continuar a desfrutar de um ótimo dia de família. Sem som, ondas ou pessoas. Só vocês e as pessoas que importaram o suficiente para fazerem tal caminhada juntos. 

20479079_1190470641098609_777312230726172672_n.jpg

 

20589594_139206183335948_6023699208962310144_n.jpg

 Lembrem-se de acompanhar o blog através do Facebook.

 

 

24
Jul17

difficultJet, um filme easyJet e Portway


Leonardo Rodrigues

DSC00293.jpg

Antes de relatar a minha experiência recente, quero dizer que gosto de viajar com a easyJet, mesmo que um copo de vinho custe 6 euros. Gosto, mas apenas quando corre tudo bem. Quando corre mal, comprovei que a empresa não tem como acompanhar os passageiros. Assenta numa virtualidade, em inglês.

Sexta feira, dia 7 de julho, fui trabalhar cheio de entusiasmo, afinal na parte da tarde iria para a Madeira, visitar a família que não via há 2 anos. Mais próximo do voo, segundo a aplicação, as minhas férias estavam atrasadas 3 horas. Liguei para o aeroporto, não sabiam de nada. Liguei para a easyJet que, de forma concisa, disse que teria de lá estar à hora inicial, caso o atraso fosse revertido não esperariam e que devo estar atento à aplicação, não telefonar. Lá fomos nós.

Uma vez ultrapassado o controlo de segurança, sentámos no chão à espera da porta de embarque. É um terminal para sardinhas. A hora do voo mudou diversas vezes, para melhor e pior. Quando recebemos a notificação a dizer que, mais uma vez, tinham saído a horas, no ecrã lia-se "cancelado". 

Ok, o passo seguinte era uma fila em que estariam 2 funcionários da Portway a atender mais de 100 passageiros. Remarcámos, através de um sms, o voo para dois dias depois - vaga mais próxima disponível. Um funcionário que falou com todos nós garantiu que se permanecêssemos na fila teríamos lugar no "voo extra do dia seguinte". Parecia risonho. Éramos dos primeiros, por isso "conseguimos" chegar ao balcão 1 hora depois para ouvir que só haveria voo terça, ou seja, após 4 dias. 

Lá podiam pedir um hotel ou remarcar o voo. Não têm acordos com outras companhias e, se quiseremos o voo com outra companhia pagamos nós - se for mais caro, não devolvem a diferença. Caso quiséssemos o hotel, teríamos de concluir o pedido através de um link enviado por sms. Testámos a possibilidade de hotel, a confirmação só chegou perto da meia noite. Imaginem quem foi atendido 3 horas depois.

De qualquer modo, fomos assegurados de que existiria uma indemnização de 250 euros, ao abrigo das diretrizes EC261/2004. O pedido tinha, novamente, de ser formalizado online, tal como outras despesas. Tudo coisas simples para os idosos que nos acompanhavam.

Para recuperámos as malas, tivemos de regressar ao outro terminal, ligar do telefone do segurança para pedir várias vezes à Portway que nos levasse ao tapete. Quando se dignaram a sair, foi para entregar um objeto perdido - solicitado após o nosso pedido. Tive quase de suplicar que nos deixasse levantar as malas de um voo sem avião. Assim passaram 5 horas no aeroporto de Lisboa.  

Ao nosso pedido de indemnização, a easyJet respondeu dizendo que não pagaria, uma vez que se tratava de uma situação extraordinária, devido a condições meteorológicas, mas que nos dariam um vale através do chat - penso que só conseguem aceder se houver o link no email.

Expressei o meu descontentamento por ter perdido 5 horas no aeroporto e dois dias de férias, mas garantiram-me que nos dariam um vale, por email, no mesmo valor da indemnização, então decidimos aceitar. Afinal, era apenas 1 vale para ambos no valor de 150 libras, ou seja, 170 euros. Distante dos 500 euros.

Lá voltei novamente, após muito refresh à página, e tentei explicar que não é aceitável prestarem informações erradas, mas nunca responderam diretamente a nada. Fiquei na mesma.

Sou capaz de entender as condições meteorológicas em Madrid, só não percebo que me façam perder tempo. A postura de uma empresa evidencia-se quando algo corre mal. É uma low cost, sim, mas isso não tem de se refletir no atendimento. Pelo contrário, fazem imenso dinheiro com a sua "eficiência". Assim sendo, há que investir mais num atendimento fidedigno e personalizado.

10
Ago16

A minha Ilha está a arder


Leonardo Rodrigues

gc_incendios_madeira_207605d6cf.jpg

 Foto: Gregório Cunha/Lusa

 

Por uma panóplia de razões tenho estado ausente do blog, mas não há plataforma melhor para manifestar-me perante os eventos mais recentes.

 

Ontem, nas últimas horas do dia -  que decidi que terminava pelas duas da manhã de hoje - não conseguia tirar os olhos da televisão. Tinha companhia, mas também não me apetecia dizer nada. A minha ilha ardia e eu só queria ouvir: a situação está controlada, não existem moradias nem pessoas em risco. À medida que o tempo ia passando apercebi-me que não ia ouvir o que queria: mais moradias ameaçadas, cada vez mais pessoas a serem evacuadas, enquanto outras tantas casas eram galgadas pelo fogo. Até o impensável aconteceu, o fogo passou a estar dentro da cidade, em várias zonas, sem que houvesse meios suficientes para cobrir todos os novos casos.

 

A omnipresença só a deus compete, bem sei, mas não o vi por lá - problemas técnicos, quiçá. Cheirava e sentia-se o inferno, não se via o céu. Os jornalistas diziam e nós viamos: "cenário dantesco", o "fogo maldito".

 

Isto já aconteceu antes. Não com fogo, mas com o elemento oposto, a água, no dia 20 de fevereiro de 2010. Estava no Funchal nesse dia, num centro comercial que acabou por ficar inundado, e vi o desespero de frente. Não perdi nem a vida nem bens, só precisei aguardar pela noite para sair da cidade.

 

Nem todos foram tão afortunados e muitos madeirenses precisaram perder tudo para que finalmente os "senhores lá de cima" começassem a tomar medidas preventivas -  umas mais eficazes que outras, sejamos honestos. Precisámos dessa catástrofe para começar a olhar para as ribeiras de uma outra forma, para perceber que uma ilha com a nossa orografia é mais exigente.

 

Como ouvi a filha do José Saramago dizer ontem, o governo não fez a sua parte. Há muito que o governo e os seus tentáculos na Madeira não fazem a sua parte. Os fogos em 2013 foram um aviso ignorado. Agora, em pleno agosto de 2016, são mais de mil deslocados, dezenas de casas ardidas e três mortos. É esperar que os bombeiros façam o impossível e que, depois, tomem uma atitude preventiva em 2019. A prevenção tem de começar agora, hoje, em todas as zonas suscetíveis. Agosto nem a meio se vai!

 

O primeiro ministro diz, com razão, que os fogos não podem ser apenas combatidos quando já deflagraram, o combate tem de começar antes. Há muito que dizemos isto, mas temos uma ilha e um país a arder. A natureza tem o seu quê de responsabilidade, mas é um "quê" que quase não se ouve - 1%, abutres!

 

Hoje, na RTP, falava-se da condição humana, afinal 99% dos fogos não têm causas naturais - leia-se: há mão de homens, sim, com h minúsculo. No Funchal já foram detidas várias pessoas. Enquanto a cidade ardia, duas pessoas foram apanhadas pela polícia a atear fogo - informação avançada pelo presidente do governo regional na conferência de imprensa desta manhã. É verdade, algumas pessoas numa ação que dura minutos conseguem destruir o que demorou vidas a construir. Para além da prevenção, parece-me que a justiça não consegue impedir que estes seres voltem a cometer tamanha atrocidade.

 

Negativismo de parte, não se esqueçam que há muita solidariedade, entre madeirenses e portugueses no geral. Um exemplo que vi ontem que pode parecer banal para alguns, para mim teve uma força brutal. Enquanto um homem, em entrevista, explicava o que ardia, um jornalista perguntou-lhe se o animal que tinha debaixo do braço era dele, ele disse que não, que encontrou a arara na rua. Estamos unidos, com vontade de ajudar tudo e todos.

 

Sei que a maior parte das pessoas a quem este texto vai chegar sente-se impotente, mas todos podemos fazer alguma coisa, sem correr riscos. Se estão na Madeira, comecem por acolher amigos em necessidade e os animais que andam à solta. Se não podem fazer isto, talvez possam contribuir com bens essencias. Se sim, desloquem-se ao RG3, na Nazaré. Não precisam de criar pânico, só mostrar que estão lá. Aos que, como eu, não estão e querem ajudar, a Caritas reforçou ontem que podem contribuir para o seguinte IBAN: PT50 0035 0697 00597240130 28.

 

10
Mai16

Vinho, Amor e Felicidade


Leonardo Rodrigues

Gosto de vinho e de tudo o que tem a ver com o mesmo, acontece que de enologia percebo pouco ou nada. Felizmente, cruzo-me com pessoas de bom gosto, entendidas da coisa, que até piadas com Casal Garcia se podem - conseguir não é poder - fazer. Nunca tenho de me dar ao trabalho de escolher, só de respeitar o decantar do vinho, a sua oxigenação e desfrutar. Do vinho e da companhia. Na Madeira, cresci muito perto do vinho. Participei nas vindimas e fui, descalço, para o lagar da minha avó pisar as uvas, ajudando-as a expelir o néctar aprovado e recomendado por deuses. Tudo me parecia contraditório: dezenas de homens eram contratados, pela minha avó, para vindimar, depois tinham de carregar baldes pretos gigantes com cachos de uva Americana, Americana Branca, Jaquê - "a que pinta os lábios e as mãos", "Negramol" - Tinta Negra Mole, um cruzamento de castas francesas usado no fabrico do Vinho Madeira - "Agremón", Chenin, contudo ensinaram-me a não gostar, porque fazia mal e porque era só para adultos. Agora já não acho contraditório, nem os censuro por terem guardado uma das bebidas dos deuses - a outra é o café - só para eles, o meu fígado não estava plenamente desenvolvido então. Ainda assim, a frustração era maior do que naquelas situações em que se pode ver e não se pode tocar, podia ver, podia tocar, podia fazer, mas não podia beber. O fruto proibido tornou-se muito apetecido, mas tive que esperar para poder aprender a gostar de vinho. Gostar de vinho, na minha opinião, sim, aprende-se. Aprendi a gostar de vinho com 19. Curiosamente, não aprendi a gostar pelos tintos, mas sim por um branco, Planalto da Casa Ferreirinha. Aprendi quando me apaixonei. Mas enquanto os amores se vão, os vinhos ficam, durante muitos anos. Enquanto o vinho ajuda a curar amores, nunca ouvi o contrário. Enviei há pouco uma mensagem que dizia "São 15h, já é socialmente aceitável estar bêbado". Sejam felizes.

 

adega01micro.jpg

Foto: IVBAM

 

Nota: consultei a minha mãe e a mãe da minha melhor amiga para saber os nomes dados aos tipos de castas e só não consegui verificar a existência da casta agremón, que a minha mãe insiste em pronunciar agremão. Não se fiem.

01
Mai16

Dia da Mãe


Leonardo Rodrigues

Primeiro domingo de maio, mais um dia para celebrar, mais um dia que me aumenta as saudades de casa. Não me meto num avião para ir a casa há muito e as saudades têm vindo a assumir as mais variadas formas.

 

Nem costumava pensar nisto. Um dia, depois outro, sempre ocupado, sempre distraído. Ultimamente certas coisas têm-me feito parar, coisas que me transportam para a minha casa da infância, onde antes de acordar já o café perfumava a casa e dava energia à minha mãe para gritar, meia hora antes do despertador, "Leonarde, acorda que vais perder a camionete"; onde havia necessidade de suplicar aos cães que me deixassem sair de casa sem nenhuma patada; onde a janela do meu quarto que, devido às arvores do jardim, só me permitia ver o nosso Atlântico. Tantas pequenas coisas.

 

No dia 31 de março, no meu aniversário, foi ler a mensagem que o meu primo - um verdadeiro irmão - tinha para mim que me despertou a saudade. Apercebi-me que não só estava a fazer falta lá em casa, como eles me fazem falta. Depois da festa que foi o dia, lá o Leonardo acabou a chorar.

 

Há dias, foi estar na Gulbenkian, num dia de sol, enquanto regavam o jardim. A terra quente e a água criaram um perfume tão distinto que me transportou para os dias quentes em que se regava os jardins, os nossos e os da minha avó. O Leonardo não chorou, mas anotou no caderninho.

 

E, pronto, hoje foi o Dia da Mãe. Quando lhe liguei perguntou-me se tinha feito ou comprado algo para ela. Respondi com uma pergunta, "Como aquelas sapatilhas que querias muito e nunca usaste, como a base para copos com o elétrico que está guardada ou como o postal que foi consumido pela humidade do frigorifico?". Ela só disse "Leonarde". Rimo-nos. Ela é tão cómica, mas acho que não sabe. Tenho saudades de me rir de conversas que não fazem sentido a mais ninguém e que eu penso ser o único a entender. Da Madeira isso é que me faz mais falta.

 

Vou comprar qualquer coisa, muito possivelmente uma passagem de avião para a fazer usar as sapatilhas. Tenho a certeza que só isto bastará para nos rirmos muito, afinal essas sapatilhas são umas MBT e os primeiros passos desiquilibram qualquer um.  

 

Feliz Dia da Mãe, a todas as Mães!

10418899_1684811355079546_883664660645460143_n.jpg

Se conseguirem, ignorem aquele cabelo, as fotografias fofas estão guardadas dentro de álbuns cercados por mar.

04
Fev16

Para refletir: Queimada Viva, de Souad


Leonardo Rodrigues

 

image.jpg

 

Quem leu o post do passatempo De Mão em Mão, para o qual ainda vão a tempo, sabe que resgatei o livro "Burned Alive" - "Queimada Viva", em português - daquele pequeno tesouro recheado de livros que encontrei na rua.

 

Li-o num ápice. Acho que este foi o primeiro livro que tive coragem de ler na totalidade em inglês, porque embora o fale com fluência, prefiro ler na minha própria língua. A escrita é acessível, o que é difícil é ler coisas que chocam na totalidade com tudo o que nós ocidentais, arrisco, civilizados, acreditamos.

 

"Queimada viva" é o relato arrepiante da vida de Souad, nome fictício, uma das muitas milhares de mulheres que vivem em regimes onde as leis são feitas de homens para homens. Na sua aldeia, algures na Cisjordânia, uma mulher não pode pensar por si, ter vontades próprias, curiosidade, olhar um homem nos olhos, nem sair à rua sozinha antes do casamento. O casamento, a maior liberdade pela qual uma mulher pode ansear, é apenas uma transferência de propriedade e só lhes libertará da escravatura do pai para que isso passe a ser feito pelo marido, o novo dono, que pagou com ouro para a ter.

 

Dentro destes casamentos, a violência não só se perpetua como a responsabilidade aumenta. Os motivos para a violência já não são só as lides domésticas, o chegar um minuto mais tarde ou apanhar um tomate verde. Passa a haver obrigatoriedade de ter filhos, as filhas são um fardo, têm de ser encaminhadas, distribuídas e, valendo menos que um animal, se começarem a ser muitas, as próprias mães chegam a matá-las, encarando elas próprias isto como natural. Não sabem melhor, não conhecem outra realidade, são vítimas de um sistema. Curiosamente, apercebemo-nos que os homens também o são.

 

Souad foi vítima dos tão falados crimes de honra. Tinha que morrer porque desonrou a família ao se apaixonar, ao ambicionar ser propriedade de alguém que não o seu pai, com uma gravidez fora do casamento. A única forma de ser restabelecida a honra da família era com a sua morte, então atearam-lhe fogo. As mulheres da sua aldeia só o apagaram. No hospital, onde deveria ter recebido cuidados imediatos, tendo em conta que Souad era uma charmuta, arábico para puta, só teve direito a um banho porque cheirava mal. Estava lá para morrer. Se viveu para contar a história foi porque "nós" intervimos. 

 

Já na Europa, dois meses depois, finalmente a receber tratamentos, Souad, ao olhar para as enfermeiras com saias curtas, maquilhagem, a sorrir a conversar com os médicos só pensava que no dia seguinte já não iam estar lá, sentindo um profundo alivio quando as via novamente. As pessoas deveriam poder pura e simplesmente ser.

 

Na simplicidade da obra, porque não precisamos de nos desdobrar em palavras pomposas para transmitir grandes ideias, há tanta força, acorda-nos, humaniza-nos. Leva-nos à reflexão! Pensei muito na minha mãe que me criou sozinha e nunca casou. Numa daquelas terras isso seria inconcebível porque não surgem heroínas, só nascem heróis. 

 

Cá, mesmo com muito pudismo e catolicismo, com toda a sinceridade, podemos fazer o que nos der na real gana, desde que isso não magoe o outro, amar quem amamos, tocar nessas pessoas, com ou sem papel. Começamos a poder explorar as nossas sexualidades cedo, de forma informada, segura, com consciência dos atos. 

 

As mulheres podem ainda não estar em mesmo número nos cargos de topo, na política nem receber tanto, mas têm os mesmos direitos de um homem. Isto constitucionalmente, culturalmente ainda existem certos estigmas que em Lisboa já não vejo, tanto, também porque faço por não me rodear de pessoas tacanhas. 

 

Dito isto, na minha terriola da Madeira, conheço de vista mulheres que sofrem de violência doméstica, mas que nada fazem por medo, por acharem que não há vida para além do marido de há 30 anos. Nem elas, nem quem lhes diz "bom dia, como vai?", levando com a mesma resposta "vai-se andando", como já é tudo tão automático, só respondem "enquanto for assim está bom", e seguem para o café para falar da vida dos outros. Enquanto for assim está bom, mas e quando estas mulheres já não andarem?

 

Ainda estou a ter os primeiros vislumbres daquilo que um blog pode fazer. Não sei bem, mas não custa nada falar destas coisas, apelar à atenção, à prevenção, à denúncia e a uma nova emancipação que está, sobretudo, por acontecer nos meios mais pequenos.

 

Futuramente, e com o propósito de continuar a abordar esta temática, sem que para isso seja necessário ler novamente que mais uma mulher morreu, irei escrever um texto com uma blogger amiga que foi vítima de violência doméstica, na esperança que palavras levem a ações.

 

Este livro, será também passado de Mão em Mão, fiquem atentos ao Facebook

 

 

27
Jan16

E o Mercado da Figueira?


Leonardo Rodrigues

image.jpg

 

 

 

Mercado da Ribeira para aqui, Mercado de Campo de Ourique para acolá, e o Mercado da Figueira?

 

Há uns tempos, numa das minhas caminhadas, que me continuam a permitir encontrar sempre uma ruela nova, qual não foi a minha surpresa quando encontrei, não uma rua, mas um mercado novo. Curiosamente, o achado deu-se numa das praças mais importantes de Lisboa, por onde passo quase semanalmente, a Praça da Figueira.

 

Imaginem só se, com o meu passo acelerado de quem já só quer ir beber um último café e atirar-se num sofá, não tivesse olhado de relance para o lado esquerdo e encontrado aquela porta tão discreta que diz Mercado da Figueira. Se a minha surpresa com este mercado parecer desmedida, justifico-a com o facto de ser da Madeira e isto serve-me para justificar tudo.

 

Ainda assim, para ter a certeza e não refugiar-me na minha isularidade para justificar este post, perguntei a vários lisboetas, com já trinta anos disto, se conheciam o Mercado da Figueira. Sei que três não é uma amostra significativa, mas responderam-me que não, daí a quase obrigatoriedade deste post.

 

Depois de pesquisas feitas, tornou-se um conhecido. Este mercado nasceu duma iniciativa de feirantes, em 1755, naquilo que eram meras ruínas do Hospital de Todos os Santos - destruído no mesmo ano pelo terramoto que devastou a cidade. Tal foi o sucesso que em 1855 é construído um mercado coberto que, infelizmente, foi deitado abaixo nos anos 50, devido a uma catastrofe pior, Salazar, ups, Duarte Pacheco.

 

Enquanto os mercados da moda apostam num estilo chique industrial, este renasce pelas mãos da VARN, que decide manter muitos dos contornos originais, mais tradicionais, onde se fez apenas as adapatações necessárias para estar à altura das necessidades e exigências dos nossos dias.

 

À entrada, antes de chegarmos ao mercado prorpiamente dito, percorremos um corredor ladeado por garrafas, com o que de melhor se faz nos lagares portugueses. Corredor corrido, temos duas opções, a cafetaria à esquerda e o mercado, convenientemente adaptado a supermercado, à direita. O primeiro apelo é o visual, afinal quem vê caras não vê corações, primeiro vê-se a cara e só depois o coração. É um coração português, com produtos portugueses, cheios de qualidade, da fruta ao peixe.

 

image.jpg

 

 

Cansado, muito passou-me ao lado, mas, na cafetaria, senti uma enorme tentação por me tornar diabético. Embora houvesse pão fresco e muitas sandes, foram os bolos que falaram comigo. Tudo tinha um ar acabado de fazer, quente, cheiroso, doce, e, quase mais importante que os adjetivos anteriores, barato. Vejam só que um menu com sandes, sumo natural e café fica a 1.95€. É de salientar que os sumos naturais, feitos com a fruta das bancas, vendem-se a 1€ e, podem, tal como eu, pedir para levar e continuar o passeio pela nossa belissima capital.

 

image.jpg

 

Depois de comprar o meu caril no Martim Moniz hei de passar por lá muitas mais vezes, nem que seja para uma frutose fresquinha que me permita seguir calçada.

 

Em tempos em que poupar é palavra de ordem, porque não fazê-lo com qualidade?

07
Dez15

À deriva


Leonardo Rodrigues

image.jpeg

 @leonismos

 

Comecei a escrever este post antes, mas, como que por artes mágicas, apagou-se. Então, vou fazê-lo outra vez.

 

Ao que parece não tenho escrito, pelo menos é o que me dizem. O que não tenho feito é publicar e, como não partilho e não torno público, acham que não existe.

 

Até que existe, mas apenas listas com afazeres e pensamentos que surgem tão rápido quanto desaparecem em notas no meu telemóvel, acontece que juntos não fariam um texto coeso. Podia, claro, pegar em cada um deles, trabalhar as ideias, passá-las a parágrafos que amontoados haviam de formar um texto e, por fim, partilhar, para existir para os outros. Isto faz-me pensar, e serei redundante, que pensar já não chega para existir. A máxima, mesmo sem blogues e "facebuques", deveria ter sido sempre Partilho logo existo. Que Descartes me perdoe a heresia. Não o tenho feito.

 

Os motivos concretos para a minha ausência de existência online deixo para mais tarde - talvez sob a forma de conto que ainda não sei se pode ter essa designação.

 

Posso, e porque me apetece, dizer que estive à deriva. O Facebook não tem este estado e talvez por isso eu não soubesse, teve que me o dizer o Samuel Pimenta, que vocês já devem conhecer e que vou citar não tarda.

 

Estar à deriva, apercebi-me logo, é estar por aí a ver onde é que a corrente nos leva, mas sempre com muito medo dos Adamastores da vida.

 

O Samuel acha que tem que ver com a cidade, Lisboa, que "é uma serpente: hipnotiza-nos com a luz dourada para depois nos engolir."

 

Isto, segundo parece, tem tudo que ver com questões geoespirituais - se a palavra não existia, aqui têm uma nova. Percebam o que quero dizer com o mito que me foi contado: "Quando Ulisses passou pelo nosso território, Portugal era conhecido como o reino de Ofiússa, o reino das serpentes. Em Lisboa, governava a rainha das serpentes, uma mulher-cobra que hipnotizava todos os homens que dessem ao cais, dormia com eles e devorava-os depois. Acontece que, quando Ulisses atracou em Lisboa, fingiu-se enamorado pela rainha, passaram a noite juntos e na madrugada seguinte, antes de ela acordar, fugiu. Dizem que as 7 colinas de Lisboa são o que resta dos espasmos da rainha-serpente quando saiu rumo ao oceano, atrás de Ulisses."

 

Enquanto lisboetas e recém lisboetas, não temos de lidar apenas com a maldita da saudade, também temos de lidar com fúria de uma cobra mais letal que todas as outras, Ofiússa .

  

A conclusão a que chego, sendo eu duma geografia cercada de mar, tal como Ulisses, é que preciso de desenvolver a minha relação com o rio que quer muito ser mar, o nosso Tejo, na esperança que também me permita salvar dos (des) encantamentos dos monstros da cidade e da vida.

29
Jul15

Obrigado, Lisboa (com fotos)


Leonardo Rodrigues

 

 

Hoje, ao remexer no meu baú de fotografias digital, decidi que ia partilhar convosco um pouco da minha complexa relação com Lisboa e alguns dos sítios que desde o primeiro dia que lhes pisei se tornaram favoritos, que me fizeram sentir pertencer à cidade, que me tornaram mais português, signifique isto o que significar. (Ver galeria abaixo)

 

Há cerca de dois anos, ainda com 18, mudei-me para Lisboa. A primeira impressão não foi a melhor, felizmente não perdurou como a maioria das primeiras impressões. Tinha demasiado medo para desfrutar e para permitir-me contemplar. Estava sozinho e não conhecia nada, tinha de encontrar casa e as aulas começavam dentro de uma semana.

 

Tudo o que era novo e diferente causava-me uma certa desconfiança, agora consigo encarar estes episódios com a curiosidade necessária. Precisei de uma semana numa cidade que me era estranha e que tive de passar a conhecer melhor que palma da minha mão, para entranhar a máxima pessoana, Primeiro estranha-se, depois entranha-se.

 

Rapidamente entendi que Lisboa não é apenas mais uma capital. Há nesta cidade uma luz que a distingue de todas as outras. Os prédios que outrora foram colocados aqui e ali por acaso e necessidade, por mais que olhe, não parecem fazer sentido doutra forma e, permitam-me, são mais arte do que muita “obra de arte” que por aí anda. Enquanto no resto da Europa todos os caminhos vão dar a Roma, em Lisboa todos os caminhos parecem dar ao Tejo, o rio que aparenta e cheira a mar. Gosto que Lisboa adormeça todas as noites com o lisboetas e com os que cá estão de passagem, de sentir que sou a única pessoa acordada noite dentro, de andar por aí e sentir uma cidade que se tornou fantasma do dia para a noite, onde só há a luz dos postes que iluminam por iluminar.

 

Percebo, agora, talvez não tenha sido eu a escolher a cidade, escolhi um curso, depois escolhemo-nos os dois.

 

Obrigada, Lisboa, por me dares amores, desilusões e amigos que são agora família. Obrigado por abalares convicções e por ajudares a sedimentar outras. Obrigado por me ensinares vulnerabilidade e humildade. E, mais importante do que tudo, obrigado por me deixares tratar a bica por café.

 

 

Podem encontrar mais das minhas fotos aqui.

05
Mai15

Dr. Mouco, amigo de Pessoa e compadre de Salazar


Leonardo Rodrigues

orpheu_img.jpeg

Se não sabem quem foi o Dr. Mouco, muito provavelmente também não sabem quem foi Albino Menezes, e são a mesma pessoa. Embora tenha estudado a maior parte da minha vida numa rua com este nome, por pouco não soube, mas por pouco sabíamos todos.


Digo isto porque este senhor, se não fossem as dificuldades financeiras dos que viriam a ser grandes a título póstumo – Fernando Pessoa, Almada-Negreiros, Mário Sá Carneiro, Santa-Rita Pintor - , talvez também pudesse ter vindo a ser um conhecido do público português, através da publicação atempada do terceiro número da Revista que marca o início do Modernismo em Portugal e a rotura com o Realismo, Orpheu.


Não há grande informação sobre o Dr. Mouco, então, há dois anos, fui convidado a ir para a rua descobrir o que podia sobre o senhor. Na altura vivia no Faial, freguesia do concelho de Santana, naturalmente que poucos tinham algo a contar, e os que tinham eram os tão sábios mais velhos. Como devem calcular não descobri nada sobre a sua obra, mas sim o que anda de boca em boca numa terra em que os pontos acrescentados aos contos são mais do que muitos.


As pessoas com quem falei descreveram-no como boa pessoa, bom escritor, educado, alto, nem magro nem gordo. Devido a certas atitudes uma senhora disse-me que este era um “aloucado”. Esta fama ou má fama fica a dever-se às trocas que fazia do registo da população, no decorrer das suas funções enquanto conservador do Registo Civil de Santana. Não só trocou datas de nascimento, como trocou e adulterou nomes.


Estas trocas deviam-se à sua condição de mouco. A sua audição foi afetada aquando de um ferimento em tempos de guerra. Ainda assim, há quem conspire que o senhor tanto estudou para se tornar doutor que enlouqueceu, passou a ser um “aloucado”. Estas pequenas loucuras levaram a certos problemas. Uma das senhoras com quem falei teve dificuldades em casar uma vez que a data de nascimento que constava nos registos da igreja diferia da que estava no Registo Civil.


Outra fonte revelou-me que um dos seus tios ficou com o mesmo nome do seu respetivo pai,  em vez do originalmente desejado, António de Sousa Freitas, acabou como Manuel de Sousa Freitas, filho de Manuel de Sousa Freitas.


Grande parte daqueles com quem falei mencionaram o facto de o Doutor Mouco ter um “magote de filhos”, filhos estes “que o seguiam que nem cachorrinhos”, para onde quer que fosse. Segundo consta, quando isto acontecia, gritava-se “Olha! Olha! Lá vai o Doutor Mouco com os filhos atrás!”. Conta-se, ainda, que estes seus filhos eram de uma empregada de São Jorge. Não me sabiam dizer muito sobre a mesma, apenas que tinha cabelos longos, que era uma “brutalhoa”, uma “jangalheira”, expressão que dá conta do não saber andar, de andar com um “andar jogado”.

 

Algo que advinha da sua profissão eram as deslocações deste até à freguesia do Faial para deixar em casa de “Domingos da Venda” os registos, documentos oficiais. Contudo, esta visitas ao Faial não se resumiam a negócios. Negócios e prazer, ou tentativa de prazer, misturam-se - sempre. Embora este nutrisse uma grande estima pela empregada com quem estava “amigado”, o doutor aproveitava estas visitas para visitar uma viúva rica, a quem pediu em casamento, muitas vezes. A filha da dita senhora lembra-se de que o doutor se apresentava com uma toalha de cetim a cobrir os ombros e dizia: “Não se assuste com esta fileira de filhos, que são filhos de uma mulher vulgar”. A viúva que cumpriu luto fechado, durante 15 anos, usando um tule preto, uma espécie de chapéu que cobria a face -  destinguindo-a, assim, das pobres que se restringiam ao uso de um lenço – , luvas pretas e vestido a condizer, não aceitou. Limitava-se a ficar atrás do balcão da “venda” da qual era proprietária.


Para além destes mexericos ou "bilhardices", como se diz na minha terra, descobri algo de interessante, este "Doutor" não só estudou com António de Oliveira de Salazar – “Doutor Salazar” - , como veio a ser seu compadre.


Atualmente, no Faial, ainda vivem netos e bisnetos desta personalidade. No entanto, a forma como vivem talvez não faça jus a este grande homem, que foi, erradamente, considerado louco.

 

Louco ou não, de médico, poeta e louco todos nós temos um pouco.

 

(A primeira versão deste meu trabalho foi publicada na revista Pedras Vivas, por quem me reensinou a escrever e a pensar, a minha professora de português do secundário, Maria Vieira.)

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Lugares

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D