Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

15
Mai16

Hoje volto ao Caderno e à Caneta


Leonardo Rodrigues

É assustador o quanto dependemos das novas tecnologias. Sei que as uso muito, constantemente, mas raramente as penso como uma dependência por mais de cinco segundos. Afinal, se quero ver um filme ou uma série estou a uma pesquisa de distância. Com a música, sem a qual não sei viver, o mesmo. Se, ao andar por aí, vejo algo que considere digno de moldura, basta-me deslizar o dedo para cima num ecrã bloqueado e imortalizar o que quer que seja. Em frações de segundo posso fazer um segundo durar para sempre. É sedutor. Se estou a ter um pensamento digno de best seller internacional basta-me abrir as notas do telemóvel e anotar. Achava eu. A maior parte dos meus posts começam com pensamentos muito desconexos oriundos das notas do meu telemóvel, muitas menos vezes do meu caderno que se fecha a elástico. Para nele escrever, tenho de o ter comigo juntamente com uma caneta. Um smartphone está sempre comigo, na mão, no bolso ou na cabeceira. Tudo parece jogar a favor da tecnologia. Até nos faz acreditar que melhora a nossa relação com o mundo. Isto, claro, até o dia em que nos falha. Hoje falhou-me. Apagou todas as minhas estimadas notas. Estavam lá às centenas. Centenas de coisas que considerei, literalmente, dignas de nota pura e simplesmente desapareceram. Antes, confesso, fotografava mais do que escrevia, agora escrevo mais do fotografo, porque isto permite-me guardar o que vai cá dentro, em vez do que vai lá fora. Esta manhã, senti-me a perder parte do meu dentro. Pensar que nunca mais vou pensar ou escrever o que perdi exatamente da mesma forma assusta-me. Senti-me um drogado sem droga. Fiquei mais meia hora na cama a adiar o meu primeiro café. Depois lembrei-me que em tempos ouvi que o suporte mais durável era o papel - pensem num papiro. Na altura, ri-me, qual papel quando temos CD's, pens e discos eternos? Hoje, para além de me apetecer substituir uma maçã de dois anos pela amora com seis, decidi que as coisas dignas de nota, daqui para a frente, têm de ser Anotadas em Papel, com Caneta. Pode ser que assim durem vidas.

10617178_858465687498058_1062978773_n.jpg

Na Gulbekian

11
Mai16

Sergey Lazarev, és de que Rússia?


Leonardo Rodrigues

Bem. Sendo este um blog de uma índole mais pessoal, não costumo pronunciar-me muito relativamente ao que se está a passar na comunicação social. No entanto, qual não foi a minha surpresa quando, hoje, abro uma notícia que dá conta de declarações feitas por Sergey Lazarev, o participante russo na Eurovisão. No seguimento de questões relacionadas com a vida dos homossexuais na Rússia, ouve-se: "são rumores", "podem sentir-se seguros no nosso país". Mentira, o rapaz tem passado demasiado tempo no ginásio. Para além de na Rússia terem sido implementadas leis "anti-propaganda gay" - signifique isto o que significar - , temos, em Portugal, prova viva de que assim não é. Essa prova chama-se Margarita Sharapova, uma escritora russa que pediu asilo político ao nosso país em Janeiro de 2013. O motivo? "A liberdade começou a ser sufocada quando Putin chegou ao poder. A máquina do Estado, lenta mas determinadamente, começou a voltar para trás, a lembrar os tempos soviéticos. Todos os meus livros voltaram a ser proibidos. Qualquer um dos meus contos, histórias, novelas sobre qualquer assunto, passaram a ser rejeitados pelos editores. Nos créditos dos filmes onde eu era argumentista, retiraram o meu nome. Tive vários prémios literários, sou membro a União de Escritores, mas o meu nome já não é possível de encontrar. (...) Eu amei uma mulher. Conhecia-a há muitos anos, desde os meus tempos de juventude no circo. Ela era acrobata. Nós passámos a ter muitos problemas depois de sair uma lei sobre propaganda gay. Uma vez fui atacada junto a um clube gay por um grupo de neonazis que me partiu o nariz. Um dia, após um festival de cinema LGBT, a minha companheira foi espancada pela polícia e pouco depois morreu. (...) Agentes (...) aconselharam-me a sair rapidamente do país porque poderia ser presa por qualquer motivo." Nesta citação de uma entrevista dada ao Expresso fica tudo dito. A situação está tão má que se verifica uma segunda vaga de refugiados LGBT. Aproveito para dizer que a escritora aceitou o meu convite para participar numa entrevista, que deixarei brevemente aqui no blog. Confesso que sigo religiosamente o festival e que o russo estava nos meus favoritos. Contudo, não posso torcer por alguém que mente à imprensa internacional sobre uma temática tão sensível. Chamem-me anti propaganda russa. Em baixo deixo-vos o trailer de um documentário que deixa tudo preto no branco.

 

OLYA'S LOVE from Soleil Film on Vimeo.

29
Mar16

A não perder: Poríferos Preciosos, de Thomas Mendonça


Leonardo Rodrigues

12910709_1831258350434845_514900422_n.jpg

 

O artista plástico Thomas Mendonça está de volta com uma nova exposição. Relembrem a entrevista que lhe fiz aqui.

 

A 19 de março foi dia do Thomas inaugurar, pela primeira vez, uma exposição de cerâmica, que intitulou de Poríferos Preciosos - e que preciosos, devo dizer!

 

A exposição irá estar aberta ao público até dia 31 de março no Museu Geológico - um museu fantástico que me parece um pouco esquecido pelos lisboetas e pouco visitado por quem só está de passagem.

 

Depois de percorrido um corredor ornamentado de fósseis naturais, entramos numa sala onde estão os dos nossos tempos, feitos por um artista - a natureza já não tem tempo para essas coisas.

 

Na inauguração, consegui trocar mais umas palavras com o artista e, claro, dizer-lhe que estava a ver y, para ele me dizer que era mesmo x, o que aprecio.

 

Estas peças delicadas que expõe têm o mar como musa, mais concretamente os seres esponjosos, pertencentes ao reino da porífera. Contudo, como sabem, o trabalho de cerâmica do Thomas não tem só fora, também tem dentro. No interior das mesmas toca sempre uma música, a música do dia - que pode ser algo da rádio, um estado de espírito ou apenas uma piada.

 

Como toca a música dentro das peças? Bem, não toca de forma literal, podemos simplesmente ter a certeza que tocou a dada altura e que lá está escrita, umas vezes é legível, outras não por estar completamente coberta. Isto é algo que não passou despercebido nem aos mais novos, que espreitavam curiosos o interior das peças, tentando ler o que lá estava e, tal como eu, ficando mais intrigados ainda com aquelas que estão completamente fechadas, sem nos deixar saber o que tocou naquele dia.

 

Não hesitem em por lá passar os olhos e deixem-se mergulhar na Porífera criada pelo Thomas!

 

Para verem e conhecerem mais do seu trabalho visitem o website e a página do evento.

02
Mar16

Entrevista a Thomas Mendonça, parte II


Leonardo Rodrigues

A conversa com Thomas Mendonça, que começou assim, seguiu-se desta forma. 

 

LR: No caso da cerâmica há sempre um esboço, não começas a trabalhá-la só porque sim.

TM: Seria impossível fazê-lo. O impulso de pagar na cerâmica parte do principio que há uma ideia. Preciso de ter algum conhecimento sobre a cerâmica em si para a poder trabalhar. Não poderia ser de qualquer forma. Quando pego na cerâmica sei que terei de ter cuidado com alguma coisa, seja por causa da cozedura, seja pelos tempos de secagem, o que condiciona muito o que vou fazer. Tal como o desenho, não é uma ideia de todo fechada.

 

LR: Na fase inicial de criação tens sempre em vista a final, aquela em que expões?

TM: Sim, sempre que começo qualquer coisa tenho consciência que ela será vista ou partilhada.

 

LR: De que forma é que te condiciona, se é que te condiciona?

TM: Condiciona-me na forma óbvia, sabendo que será exposta. Foi feita para ser mostrada, há sempre uma intenção. Tenho vontade de as mostrar, se não tivesse essa vontade de partilhar não as faria. Ou não as faria para os outros, faria só para mim. Há uma vontade de comunicar algo.

 

LR: Chegas a ter medo do que as pessoas vão pensar acerca do teu trabalho?

TM: Não tenho medo, por vezes algum receio das opiniões, mas não é algo em que fique a pensar. A história dos gregos e dos troianos é um bocado para justificar estas coisas. Irei ter amigos e inimigos de qualquer forma, portanto há que ser genuíno e sincero. É a única forma de termos amigos e inimigos sinceros, que também são necessários.

 

LR: Os trabalhos artísticos não contam sempre uma história ou fazem uma crítica.

TM: Pois não, às vezes têm um caráter mais reivindicalista, noutras simplesmente estou aqui. Mas há sempre uma vontade, um propósito, por vezes é mais digno ou necessário. Por vezes, acontece ser só uma piada que acho que pode ser giro alguém olhar para isso e pensar "que estupidez". Às vezes são coisas mais sérias.

 

LR: Tens por hábito incluir elementos menos sérios, mais populares no que fazes, mesmo que só uma frase.

TM: Não são menos sérios, são o que são. Têm uma conotação popular e há muitos preconceitos sobre a pop, que é vista como uma coisa básica, fácil, consumista. Não vejo problema. As pessoas querem muito ser intelectuais. Eu também quero, acho que sou uma pessoa intelectual e interesso-me por muitas coisas. Interesso-me por Chopin, mas também gosto de ouvir Miley Cyrus. Sinto-me uma pessoa mais rica, mais eclética por isso.

 

LR: Consideras que essas coisas se unem? 

TM: Sim, porque temos dum lado uma coisa classicista, mas alguma forma muito popular. É requintada e tem mais brio. As coisas clássicas são muito vulgarizadas. As representações religiosas são clássicas, mas também são coisas muito vulgares, pop na mesma, imagens muito banais.

 

LR: Numa outra entrevista disseste que a Barbie e a figura de Cristo eram muito semelhantes porque as temos tão enraizadas em nós.

TM: Na nossa cultura, na cultura ocidental, são duas imagens muito fortes e muito presentes.

 

LR: Tão presentes que se tornaram vulgares?

TM: Lá está, uma coisa cultural. Eu não sou religioso, mas digo "oh meu deus". Olho para as imagens de Jesus Cristo e são banais. Tenho coisas dessas em casa e adoro ter. Também tenho um Cristo vestido de Barbie. Os ícones têm uma singularidade que acho muito tocante, de uma beleza trágica. A sua singularidade é trágica. O que é que há de mais banal do que um Cristo vestido de Barbie? Não há.

 

LR: Não achas que isso pode ser ofensivo para algumas pessoas?

TM: Percebo que possa ser, mas não o faço com essa intenção. As pessoas gostam de se chatear. Se todos os cristãos - que se sentem ofendidos - fossem a pensar, que diferença é que isso lhes faz? Não faz.

 

LR: Já vimos que a tua espiritualidade nada tem que ver com a religião, mas existe alguma?

TM: Existem algumas coisas mais ocultas em que tenho bastante interesse. Coisas que não percebo muito bem, mas que gosto de brincar. Interesso-me muito por astrologia, tarô, mas sempre numa abordagem muito descomplexada.

 

LR: Isso vê-se no teu trabalho?

TM: No meu trabalho e na minha vida. Tenho sempre uma abordagem que pode parecer provocadora, mas não é. É uma forma de quebrar o gelo e de rir um bocado sobre as coisas. É tudo tão sério, tudo tão chato e há coisas igualmente sérias e importantes ao mesmo tempo. Falar das coisas com naturalidade!

 

LR: Que a arte faz tão bem...

TM: Há muita facilidade na arte, mais facilmente um quadro vem a quebrar padrões do que uma entrevista que saiu num jornal. Tolera-se mais facilmente coisas no mundo das artes plásticas e visuais. Porque não aproveitar isso?

 

LR: Ainda sobre o vulgar, não achas que tenha de ser feio, nem menos bom e acabas por incluir isso nas tuas peças...

TM: Vou buscar muitas referências visuais à cultura pop, mas não me considero preso a isso. Gosto do clichê de algo muito banalizado, de coisas pirosas. A minha tia tinha umas cortinas horrendas dos anos 80 que adorava, eram umas de veludo cor de rosa bebé, com montes de laços e dobras.

 

LR: Isso influencia as texturas? Como é que as encontras?

TM: Tem que se riscar a peça. É uma coisa que gostei muito de fazer e que agora vou experimentando. Um desses padrões, pensei eu, parecem ser lágrimas, e veio-me uma piada "cry me a river, cry me a mountain, cry me a calhau" - porque aquilo são pedras.

 

LR: E a exposição que está para acontecer no dia 19 de Março, no Museu Geológico, porque lhe chamaste Poríferos Preciosos?

TM: Não foi propriamente uma decisão. Comecei por trabalhar com cerâmica há dois anos e houve uma distinção muito grande entre o meu trabalho de cerâmica e o resto, por exemplo o desenho. São duas técnicas em que posso explorar coisas diferentes. A cerâmica foi sempre uma linguagem mais minimalista, mais limpa e abstrata. São formas. Dá para projetar mais coisas e estas formas são naturais. No geral, vou buscar ao mar muitas referências de campos de corais. Os poríferos são a parte do reino animal que se refere à esponja e a esses seres feitos de poros. Acho que muitas pessoas pensam que os corais são plantas, mas são animais que fazem parte deste ramo do reino animal a que se chama porífera.

 

image.jpg

 

LR: Fazes algo que acho que torna o trabalho muito honesto, escreves dentro das peças e, por vezes, tapas tudo, tornando a mensagem impossível de ler.

TM: Foi algo que aconteceu, não sei se acidentalmente. Sei que uma vez escrevi dentro de uma peça e dava para ver. Às tantas tornou-se uma coisa quase sistemática, consciente. Algo com intuito de despertar um interesse que não seja só visual. O facto de as pessoas tomarem conhecimento desta questão pode criar alguma curiosidade em saber o que lá está. As pessoas vão, de facto, olhar lá para dentro.

 

LR: Mas fechaste algumas totalmente... Não querias que ninguém visse...

TM: Agora ficas a pensar no assunto... Se calhar dizem coisas mais pessoais, mais estranhas. Se as partirem podem ler.

 

E assim terminou uma hora de conversa. Visitem o evento da exposição, aqui, e fiquem atentos às próximas entrevistas na página do Blog Leonismos

 

 

22
Dez15

É Natal, é Natal, Não Vai Nascer Jesus


Leonardo Rodrigues

image.jpg

 

Em vésperas de Natal, por mais que já tenha sido feito, não se pode deixar de falar da festividade, é o passado a tornar-se novamente notícia, ciclicamente, não fosse assim toda a História.

 

Estamos habituados a celebrar o 25 de dezembro porque é tradição e é difícil resistir-lhe. A sorte é que esta é daquelas tradições que se demarcam pela positiva e que tem a capacidade particular - ainda que caridosamente cedida pelos governos - de, numa época em que ninguém tem tempo para nada, parar relógios, em Portugal e em todo o mundo

 

É certo que nem todos vão na canção de Natal e, cada vez mais, estamos a assistir a uma descrença na data, basta perguntar aos amigos e estar atento às conversas de café: "O natal deveria ser todos os dias"; "A vida corre mal e não se pode festejar por festejar"; "É símbolo máximo do capitalismo, só serve para gastar dinheiro"; "O Natal tem que ver com religião e ateu que se preze não pode compactuar com semelhante coisa".

 

Sim, pessimistas, o capitalismo não se chateia com o Natal e até agradece o empurrão, mas há que relembrar que poucos podem dar constantemente - uma ou outra data para dar (e receber) é a dose anual recomendada para os bolsos. Também, e segundo consta, o Natal nas suas origens não tinha nada que ver com a religião - monoteísta- , que o diga a História, e agora muito menos, que o digam as pessoas.

 

Ouvindo a História, se recuarmos a antes de Jesus Cristo nascer - e morrer -, já era celebrado a 25 de dezembro o nascimento - natalício - de um morto, Nimrode, considerado um messias, e filho do deus sol. A iniciativa de tal festividade veio da sua mãe-esposa, que também decidiu ser da vontade do filho que os presentes fossem colocados junto de uma árvore. Festejar o nascimento de algo, a árvore, e outros tantos elementos vem de costumes pagãos, de tempos em que se acreditava haver mais do que um deus.

 

Algumas pesquisas sugerem, tendo a Bíblia em consideração, que Cristo não poderia ter nascido a 25 de dezembro. Em Lucas 2:8 podemos ler "... havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho". Tal coisa nunca acontecia em dezembro, sendo que em meados de outubro já os rebanhos tinham sido retirados para ficarem protegidos do clima dos meses que se seguiam.

 

No segundo século do nosso tempo, de forma a unir cristãos e pagãos, as datas fundiram-se, prevalecendo, agora, apenas o 25 de dezembro dos cristãos católicos.

 

Quanto às pessoas, constata-se também um distanciamento, relativamente à religião católica. Ao questionar muitas pessoas as suas motivações para praticar o natal poucos responderam de forma elaborada, isto ou porque a pergunta foi lançada numa rede social e ninguém está para arranjar uma tendinite ao desenvolver o pensamento ou porque o Natal é assim tão simples. O que é certo é que ninguém respondeu “religião” - isso parece já só ser válido nas janelas que vemos ao andar pelas ruas de Lisboa doutros tempos em que o natal é sinónimo de menino Jesus.

 

Atualmente, mesmo perdendo a conotação religiosa continua a significar, para a maioria dos questionados, "amor", "alegria, "família", "união" e, sinceramente, “tudo o que quisermos que seja”.

 

O mundo está a encarar o natal como uma data que permite que uma família, aqueles com quem têm laços de sangue e outros com relações que ultrapassam questões de sangue, se sentem em torno de uma mesma mesa, talvez pela primeira vez no ano, para falar, rir e aproveitar o presente do presente.

 

Para alguns, não se trata apenas de reencontrar o irmão perdido, "por vezes é mesmo reconciliar".

 

Das melhores recordações que partilharam, há que salientar estas: "quando em pequena vi o Pai Natal pela primeira vez.”; “Beber cerveja a bordo de um tuk tuk em Changai”. Ninguém respondeu cruzar-se com Jesus, nem como adulto nem como recém nascido, embora em algumas casas se diga às crianças que o senhor está a visitar, ninguém o parece ter visto. Também ninguém relembrou a missa do parto - tradição religiosa de Natal da Ilha da Madeira e do Porto Santo - que lhe transformou a vida.

 

Dos que não mudam de temperatura com o Natal, há quem seja mais prático e vá mais longe: "embora o natal seja alegria, amor e gratidão nem é assim tão importante, o que importa, sim, é o ano novo e as oportunidades que poderão estar para surgir."

 

Por fim, que se faça uma menor correção na canção: É natal, é Natal/Não vai nascer Jesus.

 

E para vós, o que é o natal?

20
Set15

Despedi-me


Leonardo Rodrigues

image.jpg

 @rubenandresantos

 

Até há uns minutos atrás não estava certo se iria voltar a escrever sobre esta experiência com o Call Center, O Monstro, mas a verdade é que estou. Faço-o, em parte, devido ao destaque feito pelo Sapo do post anterior, o que o tornou no mais lido deste blog de tão tenra idade. No entanto, o melhor não foram os números que apareceram no contador de visitas, mas sim os comentários e e-mails que fui recebendo ao longo do dia, de todo o tipo de pessoas - umas com experiências semelhantes e outras que, mesmo não as tendo, se conseguiam relacionar de alguma forma com o que foi escrito.

 

Foi sempre esse o meu objetivo com o blog, partilhar experiências de uma forma que marcasse a diferença, permitindo a quem lê encontrar um bocado de si, refletir e, se possível, gerar ainda mais partilha. Verdade seja dita, começo a ter um gozo cada vez maior em abrir e fechar capítulos da minha vida convosco, independentemente de quem são e até mesmo nos dias em que são menos a me ler.

 

Dito o que se pretendia ser um agradecimento, despedi-me, mas disso já deviam suspeitar pelo título.

 

Confesso que não sabia que o ia fazer tão rápido. Naquele dia, quando cheguei ao trabalho perguntaram-me se estava tudo bem, daqueles "tudo bem" tão retóricos que quase nem têm de ser respondidos. Respondi, sem filtros, que não estava nada bem. Estava exausto e infeliz. Ter um full time e estudar é ter um no time para a vida - a quem consegue fazê-lo, os meus parabéns. Perguntaram-me, então, se me queria ir embora, dizendo-me que o mais importante era eu me sentir bem e feliz. Anuí.

 

Embora não estivesse lá há muito tempo, sentia um carinho enorme por quem trabalhava comigo. A maior parte dos que lá estão são licenciados, gente inteligente, com sentido de humor, personalidades bastante peculiares e, acima de tudo, sonhos. Sonhos que vão do mundo do marketing à indústria farmacêutica, mas que vão sendo abafados pelas vozes dos clientes e pelas nossas, que temos de projetar em piloto automático, constantemente, mesmo que não apeteça falar sobre aqueles assuntos.

 

Muitos dos empregados, seja onde for, tendem a ter uma relação má com aqueles que lhes são superiores. Eu não, aliás, senti uma empatia imediata. Eles também. Nem mesmo depois de ter feito uma piada sobre a Amadora, berço da minha chefe, se nos demos mal. Substituí, na altura, esse comentário por "Eu amo a Amadora". Mal sabia eu que me iria ser pedido que gritasse isso entre chamadas, para toda a sala. Disse-o tantas vezes que agora acredito nisso. Excetuando uma discussão mais séria sobre máximas pessoanas, todas as palavras que trocámos eram carregadas de um sarcasmo luso-britânico, e isto enquanto nos íamos tratando por você.

 

Aqui descobri que gostava de ser tratado por você, algo que como devem calcular, nos meus 20, não acontece com grande frequência. É importante frisar que o você nada tinha que ver com todo este sarcasmo, era respeito. Nem sempre tive grande respeito na minha vida, mas noto que a cada dia que passa vou ganhado mais, tanto da parte dos outros como da minha, por mim. Despedir-me, despedindo o monstro da minha vida, é prova disso mesmo.

 

Embora tenha de fazer uma ginástica acrobática olímpica financeira - muito dificilmente tal coisa existe, mas a vida é demasiado curta para o verificar, tal como o é para manter trabalhos que não me preencham - sinto-me aliviado. Um alívio que o salário, por melhor que fosse, não comprava.

 

Não sei o que se segue para mim, não há necessidade de fingir ter certezas quando quase só tenho dúvidas, mas, digo-vos, é entusiasmaste não saber! Peço-vos que, quando para isso houver margem, despeçam os vossos monstros quantas vezes forem necessárias, para que os sonhos se possam cumprir. Mais ninguém os enfrentará por vós.

 

12
Set15

Dez Mil Turistas do Mundo | Ten Thousand World Tourists


Leonardo Rodrigues

11017604_1390170534633330_92295482_n.jpg

@andyto 

 

O meu maior sonho foi sempre viajar e escrever, viajar para escrever e escrever para viajar. Todo um ciclo altamente vicioso que, uma vez começado, não quero que acabe.

 

Há uns meses, sabendo bem que ainda não me é possível fazer disso vida, com um curso e uns quantos trabalhos detestavéis como prioridade, decidi criar uma comunidade onde pessoas de todo o mundo tivessem a possibilidade de viajar através de imagens de outros e de partilhar as suas memórias fotográficas com um público mais vasto. E assim se alimenta a alma do (quase) viajante.

  

Onde? No Instagram. Como? Com uma Hashatg. Nos dias de hoje é assim tão simples.

 

É desta simplicidade que surge World Tourists. Esta semana atingi os dez mil seguidores e a hashtag #worldtourists já se encontra em mais de 23 500 publicações. 

 

Para além de ter começado a conhecer melhor o mundo, ainda que virtualmente, conheci pessoas extraordinárias, com vidas que condizem com as fotos. 

 

Por essas terras digitais, de que muito mal se fala, houve um casal que se destacou, tanto que o convidei para uma entrevista que irá ser publicada em breve na minha rubrica Conversas com Vista. Desta entrevista vou apenas revelar que se trata dum jovem casal que percorre o mundo de carro há 7 anos. Para não a perderem coloquem gosto na página do blog.

 

Resta-me desejar a todos um bom fim de semana e muito boas viagens pela comunidade que podem aceder a partir daqui

 

(E sim, já fiz este post, mas não foram apenas os números a mudar. Devido a uma conversa fantástica que tive ontem passarei, também, a escrever e a publicar os posts em inglês, começando hoje.)

 


My biggest dream was always to travel and to write, traveling to write and writing to travel. A vicious circle that once started, I’m hoping it won’t ever end.

 

A few months ago, knowing that I can’t make a living out of this for now, with a degree and a few awful jobs ahead of me, I decided to start a community where people from all over the world could have the chance of taveling through pictures of others and of sharing their own photographic memories with a wider public. This is how we can feed the souls of a (almost) traveler.

 

Where? On Instagram. How? With an hashtag. Nowadays it’s really this simple.

 

And, it’s from this simplicity that World Tourists was born. Yesterday I’ve finally achieved the ten thousand mark. Yup, Instagram is finally showing my number of followers with a k, 10k! When it comes to the hashtag, it’s on almost 24 000 photos. Pretty nice, I must admit.

 

With this project, besides having the chance of getting to know the world a bit better, although in a virtual way, I got the chance of meeting extraordinary people, with life’s that match the photographs.

 

In those digital lands, that we speak so poorly about, there was this couple that really captured my attention. I felt so fascinated with their life that I decided to invite them for an interview for my new rubric on the blog, Conversas com Vista – Talks with a View. From this interview, for now, I’ll just reveal that they are a young couple that have been traveling the world for the last 7 years on their mini van. In order for you not to miss it, please like the blog page here.

 

This is my first post ever with an English version, please ignore the mistakes it may contain. The decision to also write in English and stop my excuses not to was made after the loveliest conversion I had yesterday, with an equally lovely person. I promise I’ll do my best to keep delivering better and more articulated content as the posts go by.

 

That being said, I’m going to wish you all a lovely weekend and really nice trips through this community that you can fly to here.

 

 

 

 

 

 

 

08
Set15

Call Center, O Monstro


Leonardo Rodrigues

Inicialmente, acho que só tinha coisas negativas para escrever. Agora, numa balança em que de um lado se coloca positivo e do outro negativo, tenho mais para pesar.

 

Não sou muito bom naquilo que faço, nem sei se o quero ser, sê-lo parece-se com desistir. Contudo, sendo eu uma pessoa com azar no amor e sorte no jogo, lá vou vendendo e cumprindo objetivos.

 

No trabalho, de tanto ouvir, já não quero ouvir. Aquele interesse por ouvir e saber mais, que quem me conhece reconhece em mim, como que vai desaparecendo a cada chamada que recebo. Já não quero que me expliquem como é viver em certa localidade, passemos adiante homens e mulheres!

 

A desumanidade atribuída a um operador de call center por quem está do outro lado da linha verifica-se e, confesso, também passei a atribuí-la ao cliente. As vozes têm todas um nome, Cliente. De serem tantas, quase que parecem iguais, apenas umas se fazem ouvir mais alto que outras. As perguntas e as respostas tornam-se automáticas e têm um objetivo comum, a venda.

 

Este é um trabalho digno deste século e, embora preze e use muito do que agora se inventa, não me agrada que toda a interação num trabalho se baseie no contacto com máquinas que dão acesso a uma ficha que, por sua vez, se faz acompanhar de uma voz mais ou menos irritada, com mais ou menos vontade de comprar.

 

Posto estes pensamentos pensados em horas menos boas, o trabalho, por vezes, dá-me vontade de sorrir. Conseguir que um cliente que é também um paciente com cancro solte uma gargalhada, não sendo essa a minha função, faz-me bem. Do outro lado da balança, que se faz sempre pesar, lembra-me que as empresas fazem contratos que asseguram unicamente o seu bem estar, não abrangendo o mau estar do cliente que se faz verifica com cancros, mortes, desemprego, mudanças de casa e afins. Talvez não seja o meu trabalho temporário a não ser humano, as empresas é que cada vez o são menos.

 

É-me difícil fugir do lado negativo, mas vou, novamente, tentar escrever-vos sobre o outro ingrediente. No outro dia emocionei-me, estava a fechar uma venda, mas pelo meio, enquanto o computador decidia se havia de cooperar, fui conversando, mais ouvindo, uma senhora. Esta chamada vai ficar comigo por algum tempo. Ela tratava-me como uma pessoa, eu tratava-a como outra. Começamos a trocar experiências de vida, o porquê não sei. A verdade é que a mesma tecnologia que pode destruir também pode aproximar.

 

A senhora tinha sido abandonada grávida, tal como a minha mãe o foi há 21 anos. Ambas criaram os filhos da melhor forma que sabiam, como podiam, com o apoio da família e de amigos – que chegam a ser mais família que a família. (Confidencio-vos que a minha mãe, para subsistir, chegou a levar-me, ainda bebé, para o nosso terreno e deixava-me num cantinho, muito bem aconchegado em mantas, enquanto lavrava a terra.) A senhora, que não posso revelar o nome, disse-me que deveria dar muito valor à minha mãe, que esta era uma “mãe coragem/guerreira” – ouvir isto deixou-me com uma lágrima no canto do olho. Nunca a tinha pensado assim, com este apelido que me parece tão forte. E, embora na altura a minha mãe não tivesse consciência disso, foi preciso muita coragem disfarçada de instinto.

 

Ao longo desta chamada não estive preocupado em anotar corretamente tudo o que era número, embora também o tivesse feito, mas sim o que ela me ia dizendo, palavra por palavra.

 

A senhora, ao prosseguir com o seu discurso de pessoa que viveu e aprendeu, disse-me que agora é feliz, que agora é realizada, mesmo depois de ter perdido aquele que seria o seu segundo filho. No que à família diz respeito disse-me que, sim, é importante, que é o pai dela “na terra e deus no céu”, mas que esta sua realização maior vem de ter encontrado o amor, um companheiro que a preenche. Afinal de contas a família que criamos – ou que pensamos criar, no meu caso - tem sempre um valor diferente daquela que nos é oferecida quando nascemos. ”Precisamos sempre de alguém, embora estejamos sempre a negá-lo”.

 

Agradeci-lhe as suas tão sábias palavras e disse-lhe que me sentia com sorte de a ter em chamada porque nem todos os clientes são assim e porque por vezes dizem o que dizem, ela respondeu-me da forma mais simples, “Não vale a pena sermos maus nesta vida, temos de entender o outro”. Numa palavra, Respeito!

 

Confidenciou-me, ainda e por fim, que depois de ter dado a luz o filho morto foi criticada por uma mulher qualquer por não ir sempre ao cemitério, à qual respondeu “olhe, se eu quiser chorar choro em casa, chorar na rua não me vai trazer a filho de volta.” Confiro.

 

Ter a oportunidade de desenvolver uma empatia com pessoas que nunca vi e que nunca vou ouvir outra vez não é das únicas coisas boas. Estes primeiros trabalhos, que embora não sejam nada fáceis, têm-me servido para desenvolver um sentido de responsabilidade maior e deixam-me com um grande jogo de cintura noutras esferas da minha vida.

 

Nos dias que correm este é daqueles trabalhos da praxe que grande parte dos jovens se sujeitam à medida que se vão tornando responsáveis pela sua vida, renda, comida, roupa, propinas, livros e cada gota de café que nos perfuma a alma – sim, porque não poder comprar café é uma preocupação que se sobrepõe à minha próxima propina.

 

Ah, e não se preocupem que tenho deixado um belo registo escrito das várias formas que a loucura e estupidez que um cliente pode demonstrar, mas só o irei publicar no blog assim que esta minha experiência acabe. Não posso precisar uma data, até porque os contratos que se vão assinando têm uma duração de quinze dias.

 

Quando era mais novo vivia um monstro debaixo da minha cama, mas não tinha nome. Depois, à medida que fui ganhado segurança e conhecimento do mundo que me rodeava, foi-se embora. O Call Center é apenas mais um que, tal como todos os monstros todos antes deste, só existe em fases de transição e crescimento, que não se demoram muito a ser ultrapassadas. Haverão outros, e que venham eles!

30H (1).jpg

@gratisografy

 

 

28
Ago15

Sintra


Leonardo Rodrigues

image.jpg

 Foto: Ruben Santos

 

Todos os fins de semana eu e o meu colega de casa procuramos fazer algo de novo, que seja tão divertido como relaxante, mas sempre em Lisboa. Não é mau, até já disse "Obrigado, Lisboa", no entanto, neste, tínhamos forçosamente de sair da cidade e afastar-nos de tudo o que de negativo viver numa cidade implica.

 

Foi um dia que serviu tanto para fazer uma desintoxicação citadina como tecnológica, o destino, como o título do post provavelmente indicará, foi Sintra. Sem telemóveis e apenas munidos de uma máquina fotográfica, não fosse não conseguirmos congelar momentos, lá fomos nós de comboio rumo a norte.

 

A viagem de comboio foi agradável, apenas mais curta do que estávamos à espera. Uma vez lá, o passo um foi almoçar na berma da estrada, por baixo da única árvore que nos conseguia proporcionar sombra àquela bem-dita hora do dia. O passo dois foi pedir um mapa, que acabou por não ser necessário, pois os melhores sítios, como viemos a comprovar, não constam nos mapas, acham-se uma vez no local.

 

Já me tinha deslocado para aqueles lados duas vezes anteriormente. Na primeira e na segunda com o coração a sofrer de uma patologia sem terapêutica disponível atualmente, o amor - achava eu. Desta vez, já livre destes males que só se curam com o tempo, desfrutei.

 

Depois de tão deliciosamente subir, com um silêncio a que já não estou habituado, demos com o Castelo dos Mouros. Entre o silêncio, o ar puro e o verde estonteante, abri espaço para pensar nas batalhas que lá tiveram lugar, em como os que estavam em cima detinham sempre uma considerável vantagem estratégica e, com maior inquietação, perguntei-me: será que aquela gente tinha consciência do quão mágico é Sintra?

 

Nós sim, tínhamos, mas era-nos imposto pagar e pagar nada tem de mágico. Então, como bons portugueses que somos, lembrando-se o meu colega de que alguém já lá tinha conseguido entrar sem pagar, decidimos nós também fazer um pequeno desvio.

 

O caminho parecia não ter sido antes caminhado e, se navegado, só por água. Uns arranhões, mosquitos e sustos depois, lá demos nós com um sítio que dinheiro nenhum pode comprar e que não está incluído no preço absurdo do bilhete. Parecia nunca ter sido tocado pelo Homem, não havia ruído, nem lixo. Até o mar se avistava!

 

No castelo, pago, suponho que os visitantes tivessem, quanto muito, a oportunidade de se sentarem em bancos de madeira, enquanto nós, gratuitamente, ficamos deitados em pedras gigantes, que pareciam suspensas no ar.

 

Não estávamos a travar uma guerra como os que deste sítio precisaram antes de nós, mas a sensação de segurança devia ser a mesma. Estávamos protegidos da vida que temos lá em baixo, na terra, e que não queremos. Nada nem ninguém nos podia tocar, corrigir ou perturbar de algum modo. Estávamos acima de todas as coisas e tínhamos o controle total das nossas vidas. Ali não lutávamos por ser alguém, afinal tínhamos  o  privilégio de ser ninguém. No meu último dia acho que as coisas vão ser assim, as luzes desligam-se e deixa de haver luta e finalmente terei descanso, do eterno - que há de saber tão bem se disso houver consciência.

 

Depois de tanta sensação maravilhosa experienciada e com coragem ganha para deixar o descanso eterno temporário, lá seguimos caminho para o nosso próximo destino, o Palácio da Pena. Surpresa, era preciso pagar mais. Então, nós, mais uma vez, tivemos que ir por por vales e montanhas - como canta mais ou menos o hino da RAM. E olhem, entramos e não me lembro de ter pago, nem o fotógrafo de serviço.

 

Já de noite, aconteceu o que todo o dia prometeu, chuva. Não consigo conceber melhor forma de terminar um dia destes do que uma viagem de comboio de noite, com um livro no colo e a chuva a cair do outro lado da janela, que me protegia do delicioso espectáculo da natureza. No livro, tal como na viagem de ida, lia sobre reis e rainhas, e, permitam-me, durante este dia eu fui rei e no meu reino não houveram cá lutas pelo trono, apenas pela melhor pedra, que foi pacificamente partilhada.

 

Antes de concluir com o parágrafo seguinte, deixo-vos com uma dica: prefiram sempre um bilhete de comboio com ida para Sanidade e volta com Sanidade em detrimento do Xanax, Prozac e primos, que não sei o nome. Fica mais barato e tem efeitos duradouros.

 

Sendo que as experiências são sempre melhores quando partilhadas, e, tendo-me excedido nas palavras, deixo-vos com mais algumas fotografias tiradas por Ruben Santos - dizem que cada uma vale mais do que mil palavras.

 

 

image.jpg

 

image.jpg

 

image.jpg

 

image.jpg

 

image.jpg

 

image.jpg

 

 

Podem ver mais do trabalho do Ruben no Behance aqui e no Instagram aqui.

03
Ago15

Drama!


Leonardo Rodrigues

image.jpg

 

Quando não há, inventa-se.

 

Porquê e para quê, perguntam-se e pergunto-me.

 

Chego a uma conclusão, o drama serve para conferir sentido. É a forma que alguns escolhem para dar sentido à vida que, de si, tem pouco ou nenhum. O esforço é mínimo, a irritação do povo que percebe máxima. E isto, diga-se de passagem, é mórbido.

 

Mas, mórbido ou não, o entretenimento egoísta de um dos intervenientes é sempre garantido. Entretem-se reproduzindo uma telenovela que sempre teve e terá o mesmo enredo e onde apenas, com sorte, se varia o nome das personagens.

 

Pois bem, se há coisa que sei é: quando a telenovela começa é hora de mudar o canal.

 

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Lugares

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D