Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

23
Fev17

Descobrir as Origens em Foz Côa


Leonardo Rodrigues

Estar a uma hora de Foz Côa sem lá ir parece mal. Tanto que parecia que fomos, quase movidos apenas por vitamina C e cafeína. 

Se há algo que não me canso de dizer é que as nossas auto estradas e estradas são lindas. Especialmente a que nos leva a Vila Nova de Foz Côa. Não me refiro ao alcatrão, que por vezes falha, mas às vistas, claro está. 

Embora o caminho nos parecesse belíssimo, pelo verde, pelas casas que íamos avistando aqui e ali, pelas bermas feitas de pedra, nada nos poderia preparar para o que veríamos uma vez no museu. Veríamos o que a seguinte fotografia, que não me permiti editar, captou. Sem pôr nem tirar. 

16602175_2001288716765140_3634906541084021308_o.jp

 

E com esta vista ficámos durante muitos minutos, alternados entre contemplação profunda, gratidão por estarmos os dois ali e fotografias, muitas fotografias, não vá a cabeça esquecer.

O museu realmente está muito bem enquadrado na paisagem - tanto que no regresso tive de esforçar as vistas para conseguir ver. O que o típico turista não reflete é que lá, além de artefactos correspondentes a várias épocas, só temos representações das gravauras. Essas permanecem, muito respeituosamente, na rua, nas rochas onde foram encontradas. 

 

Como a sorte esteve sempre do nosso lado, chegámos a tempo de ver ver o museu e de comprar os dois últimos lugares para a última visita guiada às gravuras existentes em Penascosa. Recomendamos que façam ambas sendo que o valor combinado é de 12 euros. Temos apenas de assegurar o transporte do Museu até Castelo Melhor - uns 30 km - , o ponto de partida para vermos o que resta da arte rupestre em Penascosa.

Uma vez na aldeia pitoresca, é hora de descer aos confins e começar a recuar na História, num todo o terreno, por um caminho de terra batida. O caminho fez-se com dificuldade, mas, como qualquer dificuldade em férias, ultrapassou-se graças à boa companhia e, sem me querer repetir, às vistas. De um lado as vinhas, do outro as oliveiras. As montanhas pareciam não terminar, mas as casas sim e as pessoas com estas.

É um privilégio estar cá em baixo. Sente-se um misto de emoções que me fizeram sentir tão grande e tão insignificante em simultâneo. Ouvi com alguma atenção o que a guia automatizada nos disse, mas não conseguia evitar em dispersar-me do pequeno grupo para contemplar o que me envolvia. Duas margens do Côa, num local remoto, intocado, a anos luz de ser tão pisado como o Terreiro do Paço. Com a distância certa era possível ouvir apenas os pássaros e a água, tão perto, tão calma. Faz-nos sentir perto de quem fomos, pensar ao que vamos e, como um amigo meu costuma dizer, regressar às origens.

 

 

Claro que a mente divaga, após as aulas de História destas viagens dentro do país é fácil ver os nossos antepassados que nos deixaram, sob a forma de arte - acredita-se realmente que as gravuras foram feitas por artistas - a preencher as montanhas e a caçar. É também interessante pensar na responsabilidade da arte que carrega as nossas inquietações desde muito cedo, primeiro a caça, depois a religião e agora tudo. Somos muito mais.

De volta a Castelo Melhor, não conseguimos resistir aos encantamentos de uma vendedora - novamente, eu sei - e comprámos um licor biológico de vinho do Porto que só pode ser comprado ali, um vinho e amêndoas caramelizadas com açúcar e canela. 26 euros bem empregues. Já só resta o licor. 

Ela deu-nos uma dica para a nossa próxima e última paragem antes do regresso a Juncais, a Capela de S. Gabriel. Posso escrever apenas que apetece mais do que voltar à origens lá de cima, apetece não partir nunca e as fotos têm voz própria.

 

 

 

Novamente em "casa", Fornos de Algodres, comemos muito bem - e barato -  num restaurante chamado A Praça. Lá em cima é tudo em grande, duas doses gigantes, garrafa de vinho e sobremesa por menos de 20 euros.

A noite, antes de voltarmos ao calor da nossa salamandra, acabou junto ao Mondego a contemplar as estrelas e a lua, que lá em cima se avistam melhor.

 

Fiquem atentos aos próximo capítulos do Leonismos e sigam a página no Facebook e no Instagram - onde têm um sem fim de sítios maravilhosos à dsiposição dos olhos. 

13
Fev17

A minha resolução para 2017


Leonardo Rodrigues

Não escrevi sobre isso, mas eu também tenho uma resolução para 2017. Sim, é apenas uma, mas é desta que tudo pode brotar. No ano anterior, comprometi-me a ser e fui. Simplesmente isso deu-me muitas coisas, oportunidades, um emprego, amigos, conversas e um novo amor. Ser, em pleno, não é mais do que estar bem com a pele que vestimos, as coisas que pensamos e até com os pêlos que brotam todos os dias para desconfigurar a linha da barba. Ser em pleno é também não ter medo e saber o que se quer. Talvez seja isto que aconteça a todos com o somar dos anos. Quando somos em pleno ganhamos coisas, pessoas para se falar sobre isto e aquilo e, se formos mesmo sortudos, alguém para nos aquecer à noite. Dito isto, este verbo vale de pouco se não lhe associarmos o fazer. Quero fazer muito mais, muito melhor, dar e mostrar mais de mim. Pegar nos projetos da gaveta e dar-lhes uma vida nova. Quero devolver a cor ao blog, reescrever um post que prometi à Mula e o telemóvel apagou, fazer a entrevista à Vânia, escrever sobre o que vi e provei, gostei, não gostei e calei. Quero e vou, sabe deus lá se podemos mesmo deixar para amanhã o que pode ser feito hoje. 

fazer.jpg

Eu a "fazer" férias e andar de bicicleta pela primeira vez em muitooos anos. Foto: D.

 

 

02
Fev17

Temos de desligar!


Leonardo Rodrigues

 

 

man-person-clouds-apple.jpg

 

Vivo numa relação de amor ódio com ficar sem bateria. Se houver algo que não pode esperar, é um pesadelo. Se não, é uma dádiva e acordarmos para coisas que nunca reparámos, como ver que o nome da estação Roma, refletida num dos vidros da carruagem é amoR.

Os tempos são insustentáveis. Deixar passar os reflexos da luz que dizem amoR não é grave, mas já deixar passar o Amor porque um retângulo convenceu-nos que a nossa vida está toda lá dentro, pode ser.

Os nossos telemóveis tornaram-se o centro, até dos jantares. Supostamente está lá tudo: as várias contas de email, o Facebook, o Messenger, o Snapchat, o Instagram, as aplicações onde se encontra o sexo e amor, as noticias, as memórias fotográficas, as notas, a agenda, o despertador, os mapas. Tudo, porra. E as notificações não nos largam, fazendo com que o trabalho, os colegas, os amigos, as estrelas e as desgraças se deitem connosco.

Sabem o que não está no telemóvel, nem mesmo no computador? As pessoas, de carne e osso, as conversas olhos nos olhos, o toque e os tiques, os cheiros dos lugares. O que vemos nos ecrãs são as representações disso. Temos de optar: representações ou os que temos ao nosso lado, à mesa e na cama?

Sinto que a ilusão de aproximação serve apenas para que a concretude das coisas se deteriore. O que sobra de nós, pode ser insuficiente.

Não proponho uma abolição de algo que melhora a vida moderna em muitos aspetos. Proponho, sim, que por vezes se deixe o telemóvel desligar ou usar o modo de voo. Desta forma conseguímos ouvir melhor quem está ao nosso lado e ver as nuvens sem photoshop que estão no céu.

 

25
Nov16

Um colega que me quer comer... a paciência


Leonardo Rodrigues

É sexta feira, perdoo tudo, mas escrevo na mesma. Ao longo destes meses a minha vontade de ir trabalhar cresceu à medida que novos laços foram sendo criados e procedimentos interiorizados. Contudo, não podemos agradar a todos nem todos nos agradam. Tenho um colega que me adora dizer que fiz trapalhada ou inventar um procedimento adicional, fresco e inexistente. Por vezes pede desculpa e assume o erro, outras pede-me que o deixe falar, de forma muito calma, assertiva e irritante. Sempre que preciso que ele faça o seu trabalho, adotei a mesma estratégia: sorrio exageradamente, explico de forma extraordinariamente pausada o que pretendo e aguardo o clique em que nos agradecemos mutuamente. Hoje isto aconteceu, mas embora houvessem várias mensagens onde expliquei toda a situação e também o tivesse feito pessoalmente, quando estava a sair perguntou-me se me ia embora sem uma resposta. Três horas antes tínhamos feito o agradecimento mútuo. Expliquei-lhe apenas já tinha sido tratado, ele voltou ao que estava a fazer e eu vim de fim de semana. Sabem, eu não quero que deus me dê paciência, quero ser aumentado. É pedir muito?
22
Nov16

Quantas vezes vão casar?


Leonardo Rodrigues

O post não se compromete a responder ao mote, até porque são sempre mais as perguntas que as respostas. Dúvidas inquietantes surgem a toda a hora, em todo o lado e com tudo. Ontem foi a vez do programa The Big Picture ajudar a trazer novamente à tona várias questões, como faz o mar com a madeira.

Sempre me referi a Jacqueline Kennedy como Jackie O. Era algo que tinha presente sem saber porquê, só conhecia a trágica história de amor com o Mr. Kennedy. O O, descobri ontem, trata-se afinal de uma herança do segundo marido, o milionário Aristotle Onassis. Fiquei surpreendido, não gostei da ideia de imediato, afinal o amor deles tinha de ser para sempre.

À custa disto, ouvi: sabes lá quantas vezes vais casar. É verdade, sei lá eu, sabemos lá nós. Mas isto dá que pensar.

Além da vida, será que começa tudo a ter uma data de expiração cada vez mais próxima? Não sabemos bem, parece que sim, e, cada vez mais, entramos nas mais diversas esferas da vida - especialmente a amorosa - a acreditar que o fim está ao voltar da esquina. É possível que esteja, nessa ou na esquina do quarteirão seguinte ou noutra ainda mais distante. É um dado adquirido, uma lei superior: se tem um início tem um fim.

Escrevendo isso, quase que apetece legitimar a questão “porque é que se começa se vai acabar?”, mas isto é quase o mesmo que perguntar porque é que se vive se vamos morrer?

Não tenho muita confiança no “e viveram felizes para sempre”, mas tenho no “vivem felizes há muito tempo”. O para sempre é na verdade para enquanto durar, tal qual as verdades dos livros.

Quando estamos felizes no momento presente não pensamos nos casamentos do futuro. Eu estou feliz e não quero saber. A vida continua a provar-me que passado e futuro não são boas moradas para se viver. Se já estou autorizado a pensar nos meus desejos para 2017, o primeiro é estar mais presente, na vida, para mim e para quem está enquanto está. Tudo expira quando tem que ser. 

15
Nov16

Hoje não sei


Leonardo Rodrigues

Uns dias temos motivos, outros simplesmente os estados de espírito surgem sem qualquer razão aparente. A carapuça assenta tanto aos bons como aos maus. Com os bons é mais fácil, só temos de vivê-los, saborear sem a consciência de que aqueles momentos nem sempre perduram. Com os maus há uma vontade enorme de exorcizar as emoções e de sufocar os pensamentos. Lá parece que conseguimos, temporariamente, depois o pensamento volta a entrar na nossa cabeça e adquire contornos mais fortes, de quase loucura. Aí está o diabo. Há vários anos aprendi que não os podemos deixar na cabeça. Verbalizar e deixar no ar também não serve. Temos de os colocar numa folha, física ou digital. Depois perdem a força, podem ser questionados e novas sensações surgem. Hoje ao tentar fazer pensamento-pergunta-resposta só me deparei com não sei, não sei e não sei. Hoje, que tudo parece ter de ser questionado, eu não sei. Escrevo na esperança de saber.

08
Nov16

Hora Certa (CONTO)


Leonardo Rodrigues

Na estação de comboios entendi, mudou. As pessoas e aquilo que constroem de imaterial não resiste ao tempo. Senti estas palavras naquele adeus diferente dos outros, num alívio só dele. No passado, as despedidas provisórias carregavam-se de saudade, nossa, mesmo que fosse fingida. Engana-se quem pensa que a honestidade é um esforço mais importante que o fingimento no amor. Neste último toque não nos sentíamos. Quando dois corpos se tocam e não se sente é porque um vai escapar. Soube que era um adeus para enquanto durássemos.

 

Permiti às portas fechar e ao comboio deslizar, embora me sentisse a tomar balanço, sem cair para a linha. Olhei-o fixamente do lado de fora, tão fixamente que perdi o foco. Acabou e sentia-me vazia, sem roupa nem sapatos. Para uma mulher isto ou é um alívio ou é como perder o chão. Não fui capaz de fazer o meu olhar acompanhar o fugir ruidoso da carruagem, só de continuar a olhar em frente, com o maxilar rígido e um olhar parado, preso a uma cabeça e a um corpo que não se queriam mexer. Estava convicta de que a mais pequena ação me faria balançar mais. Umas pessoas andavam para um lado, umas para outro e mais algumas sei lá para onde. Talvez conseguissem ver-me, talvez estivessem também elas com a visão turva, descalças.

 

O caminho até à casa que decidimos chamar nossa, no alto, com vista para a cidade sem mar, percorreu-se em piloto automático. Quando cheguei, a janela que dava para o largo estava aberta e dei por mim, por dor e por instinto, a tentar fechá-la. Queria tudo trancado, mas detive-me. Algures, num apartamento do bairro, tocava uma música tão triste que fazia o ar cheirar a chuva. O cheiro fez-me levar as mãos à cabeça e, desajeitadamente, pentear, com as mãos, os cabelos que começavam a ficar demasiado longos. Quis usar isto para justificar não ser desejada. Depois ri, o pensamento seguinte dizia-me que deus é francês com uma costela britânica. Naquele momento concluí que tudo começa e acaba com uma qualquer música francesa. Ouvia-a distante e distinguia apenas a palavra Paris no meio daquele choro eufónico em francês fluente.

 

Numa cidade onde o tropeçar em amor é constante, uns estão fatidicamente obrigados a desencaixar a metade que lhes pertence para que seja encaixada numa outra, ficando, em consequência, uma peça danificada que não torna a encaixar. Ninguém, se futuro houver, quer completar um puzzle com uma peça que ao mais suave toque se desfaz. Se assim acontece numa cidade onde se tropeça em amor, pensei, que seria de mim se, nesta cidade, para além da merda dos cães, a História só deixa tropeçar em saudade? Pensar isto provocou em mim uma causa que talvez tivesse como efeito o riso, não o permiti.

 

A canção foi-se diluindo, ficando cada vez mais longe, até parar. Foi o que nos aconteceu. Fechei tudo, voltei a mim, ao quarto onde não queria que luz nenhuma entrasse, ao colchão rijo, à imobilidade. As vozes retomaram ao meu dentro. Nunca as consigo ouvir a todas, fica um burburinho lá dentro que faz tremer o corpo. O tremor tem mais vontade sua que as vozes, mas não lhe posso gritar. A voz da insegurança consegue sempre ser ouvida, num falar gritado. Não és, não vais ser. Imploro-lhe silêncio, sei que tem razão. Sem os outros não somos. O branco é que deveria ter som, cheio de vento, mas é a escuridão que fala e fala.

 

Passadas umas horas sento-me aos pés da cama, fecho a mão esquerda, abro a direita e empurro-as, compulsivamente, uma contra a outra. Não consigo parar, cala as vozes. Há silêncio, rio novamente e não sei porquê.

 

Saí para ir ao encontro da noite. Parei apenas quando alcancei o primeiro banco do primeiro jardim que encontrei. Fiz por não me movimentar de forma louca, em vez disso contemplei a luz cansada do único candeeiro que me fazia companhia. Ali fiquei.

 

Acordei com o barulho de quem, naquela manhã de domingo, tinha família. Era verão, tinha passado a noite no banco de jardim, tal e qual uma daquelas pessoas que transformam o cartão no seu teto, lençol, cobertor, colcha e edredão. Não me importavam os olhares que, noutro dia, podiam ter sido meus. Que histórias que trazem tanta face anónima ali?

 

Porque é que os olho com curiosidade? Porque é que aquele casal está sentado a olhar em frente, com um olhar pesado? Que fez ele? É sempre ele. Porque é que a rapariga de cor de rosa anda em círculos à volta da estátua? Talvez a cabeça dela também não se cale. Porque é que o rapaz de preto contempla o chão como se soubesse que é para lá que vai? Porque é que me importo?

 

Importo-me porque agora sei que nada para, nem pessoas nem mundo. Doía tanto e nem eu tinha conseguido parar. Tudo acontece. Eu aconteço na mesma. O sol continuou a abrir a manhã e fez-se-me luz. Como fazem todos os dias, a hora certa, os candeeiros de rua.

14915585_1946633485563997_3090270370972447687_n.jp

 

12
Out16

Ao Encontro do Sul, Parte II - Albufeira


Leonardo Rodrigues

14682157_1930087600551919_4984922288728022895_o.jp

 

"A conquista do sul tarda, mas finalmente acontece", foi isto que escrevi numa SMS antes de sequer ter entrado no comboio que me iria levar de Sete Rios a Albufeira.  

Deveria ter percebido que não ia conquistar nada, afinal o comboio atrasou-se e, assim que chegou, levei com um presságio na barriga - na forma de caixa gigante da IKEA. Num outro dia teria entendido a mensagem, mas naquela sexta não deixei, não podia. Só pensei que assim que as carruagens deslizassem pelo caminho de ferro a minha vida em Lisboa entraria em modo de pausa. A primeira pausa, em 3 meses, a mais de 25km de Lisboa. Para agravar, melhorando, seria também o meu primeiro fim de semana fora com aquele que me atura quase diariamente. 

Se por um lado a procura anterior pelo sul se fez contra a corrente, esta fez-se de frente, junto das vistas. Respirei de alívio quando me sentei e senti a capital a ficar para trás.

O lugar da janela, confirmado por duas vezes, era meu. A senhora que me acompanhou não queria o sol e eu queria a vista. Não se omite um sem omitir a outra. Tentámos um meio termo desconfortável que sei que não foi do seu agrado. Então, abdiquei do apoio de braço sem abrir a boca, contando que se apercebesse do meu gesto de tréguas.

Depois, e dizem-me que é assim em mais sítios, as pessoas que pedem na CP são mais sofisticadas, distribuem um papel - há tempo para estas coisas, bem sei - , deixam os passageiros ler e depois passam para recolher o papel e o dinheiro, se nos convencerem. Achei interessante, não invade. No metro temos que ouvir todos. Ainda partilhei com a minha companheira de viagem que seria mais útil um exame, que não poderia comprovar o estado clínico de alguém através de uma folha onde se pode escrever qualquer coisa. Claro que me censurou, mas também não contribuiu.

Já tinha deixado algumas notas sobre a minha perceção da viagem para depois escrever um post, mas tive que interromper a escrita porque começámos a conversar, eu e senhora que queria a cortina fechada. Foi extraordinário e três chapadas na cara para mim.

Embora com mais de 20 anos de diferença, tínhamos tanto em comum e partilhávamos ideais semelhantes. Houve também espaço para discutir a atualidade - daquela semana - , do burkini, passando pelo nudismo nas praias portuguesas - intemporal? - , ao EI. Mas, à parte do Amor, a questão que mais nos apoquentou foi: será que os alentejanos estão conscientes da qualidade de vida que têm? Eu nunca estive consciente da que tinha na Madeira.

Os Montes parecem pincelados de castanho, com manchas verdes e brancas e é preciso treinar o olho para enxergar pessoas.

Ao namorar as pequenas aldeias que avistava senti uma grande vontade de partir a janela e atirar-me para lá, de fazer parte daquilo. Não sei onde era. Crianças disseram adeus da rua, talvez seja fascinante verem um comboio de possibilidades, que transporta pessoas oriundas da capital, não sei. 

Uma vez em Albufeira, acho que poderíamos ter aproveitado o fim de semana de outra forma - scones: check; piscina: check; água do mar aquecida por Neptuno: check.

14124483_1757773434474348_488097994839979289_o.jpg

 

Caminho até à praia

 

Como não só de coisas boas se faz check, e tendo em consideração que fui avisado pela caixa do IKEA, o impensável aconteceu, tive de o partilhar durante metade do tempo útil do fim de semana com uns amigos do ex que encontrou na praia. Concordei em fazermos praia com eles, depois dei por mim a jantar num restaurante chamado Ricardo's, escolhido por eles. Não me posso esquecer que também saímos à noite. Agradeço ao vinho a coragem.

 

14707011_1930102963883716_7023350753964880869_o.jp

O restaurante tem o nome do antecessor. Não acredito em coincidências. Mentiria se dissesse que não simpatizei com os moços. Ri-me bastante e esse é um bom indicador, só me queixo do fim de semana idealizado se ter esfumado.

 

Num próximo encontro com o sul expliquei-lhe que vamos para um sítio deserto, onde a única coisa que pode soar familiar seja o som dos pássaros. Depois, se o tempo deixar, também vos deixo entrar a bordo do próximo encontro.

12
Set16

E passaram 3 anos


Leonardo Rodrigues

Não tenho escrito. Alguns amigos mais próximos sentem falta, e vão-me dizendo. Confesso que, secretamente, desejo que pessoas que não conheço também tenham reparado.

 

Existem posts que me têm parecido a desculpa ideal para regressar, mas nunca tenho coragem para os acabar, parecem-me sempre tão incompletos, sem palavras ou emoções suficientes. Acho que é por estar feliz, ocupado. Quando o tempo abunda e a felicidade escasseia, aí sim, cuspimos todas as palavras que conhecemos num grito.

 

Agora que decidi compreender o meu signo, tenho ainda uma outra justificação: mais do que perfecionismos e leonismos, os carneiros são de desculpas. Vivem muitos momentos intensamente, como se não houvesse amanhã. Depois, adiam a vida como se o fim não estivesse anunciado à priori. Simplificando, com o que me disseram, "os carneiros atiram-se para as coisas e deixam-nas pela metade". Claro que prefiro responsabilizar o signo em vez de a mim, embora me comprometa a contrariá-lo.

 

Agora que me justifiquei, hoje tenho um pretexto e vou colocar um ponto final neste post. O pretexto foi-me oferecido, espero que gratuitamente, pelo Facebook. O dito leva-nos a memória, para ser a nossa memória. Ontem lembrou-me que há extamente três anos, depois de uma viagem que me trouxe para viver na capital, o meu dia começou no Rossio com um muffin e um café - sem que, para meu espanto, houvesse necessidade de o tratar por bica.

 

Fechou-se um ciclo, sinto-o, e, como estou a escrever, sei que começa um outro onde tantas outras coisas vão acontecer. Ainda antes de ontem celebrava dois meses, que se querem mais, de namoro. Em breve, uns bons dois anos de blog. Hoje posso ainda celebrar o meu 70º post. 

 

O saldo, com todas as vicissitudes - palavra cara para pedras no sapato - , é positivo. Mesmo o tempo não parando por nada, levando e trazendo tudo como a corrente, há algo que escrevi há uns tempos no post "Obrigado, Lisboa" que continua a fazer sentido e penso que me será sempre atual: "Obrigado, Lisboa, por me dares amores, desilusões e amigos que são agora família. Obrigado por abalares convicções e por ajudares a sedimentar outras. Obrigado por me ensinares vulnerabilidade e humildade. E, mais importante do que tudo, obrigado por me deixares tratar a bica por café." Como o ponto final que ali está pertence a uma citação e me comprometi a colocar um ponto final a sério escrevo esta frase para esse efeito.

 

praia.jpg

 3 anos depois

 

10
Ago16

A minha Ilha está a arder


Leonardo Rodrigues

gc_incendios_madeira_207605d6cf.jpg

 Foto: Gregório Cunha/Lusa

 

Por uma panóplia de razões tenho estado ausente do blog, mas não há plataforma melhor para manifestar-me perante os eventos mais recentes.

 

Ontem, nas últimas horas do dia -  que decidi que terminava pelas duas da manhã de hoje - não conseguia tirar os olhos da televisão. Tinha companhia, mas também não me apetecia dizer nada. A minha ilha ardia e eu só queria ouvir: a situação está controlada, não existem moradias nem pessoas em risco. À medida que o tempo ia passando apercebi-me que não ia ouvir o que queria: mais moradias ameaçadas, cada vez mais pessoas a serem evacuadas, enquanto outras tantas casas eram galgadas pelo fogo. Até o impensável aconteceu, o fogo passou a estar dentro da cidade, em várias zonas, sem que houvesse meios suficientes para cobrir todos os novos casos.

 

A omnipresença só a deus compete, bem sei, mas não o vi por lá - problemas técnicos, quiçá. Cheirava e sentia-se o inferno, não se via o céu. Os jornalistas diziam e nós viamos: "cenário dantesco", o "fogo maldito".

 

Isto já aconteceu antes. Não com fogo, mas com o elemento oposto, a água, no dia 20 de fevereiro de 2010. Estava no Funchal nesse dia, num centro comercial que acabou por ficar inundado, e vi o desespero de frente. Não perdi nem a vida nem bens, só precisei aguardar pela noite para sair da cidade.

 

Nem todos foram tão afortunados e muitos madeirenses precisaram perder tudo para que finalmente os "senhores lá de cima" começassem a tomar medidas preventivas -  umas mais eficazes que outras, sejamos honestos. Precisámos dessa catástrofe para começar a olhar para as ribeiras de uma outra forma, para perceber que uma ilha com a nossa orografia é mais exigente.

 

Como ouvi a filha do José Saramago dizer ontem, o governo não fez a sua parte. Há muito que o governo e os seus tentáculos na Madeira não fazem a sua parte. Os fogos em 2013 foram um aviso ignorado. Agora, em pleno agosto de 2016, são mais de mil deslocados, dezenas de casas ardidas e três mortos. É esperar que os bombeiros façam o impossível e que, depois, tomem uma atitude preventiva em 2019. A prevenção tem de começar agora, hoje, em todas as zonas suscetíveis. Agosto nem a meio se vai!

 

O primeiro ministro diz, com razão, que os fogos não podem ser apenas combatidos quando já deflagraram, o combate tem de começar antes. Há muito que dizemos isto, mas temos uma ilha e um país a arder. A natureza tem o seu quê de responsabilidade, mas é um "quê" que quase não se ouve - 1%, abutres!

 

Hoje, na RTP, falava-se da condição humana, afinal 99% dos fogos não têm causas naturais - leia-se: há mão de homens, sim, com h minúsculo. No Funchal já foram detidas várias pessoas. Enquanto a cidade ardia, duas pessoas foram apanhadas pela polícia a atear fogo - informação avançada pelo presidente do governo regional na conferência de imprensa desta manhã. É verdade, algumas pessoas numa ação que dura minutos conseguem destruir o que demorou vidas a construir. Para além da prevenção, parece-me que a justiça não consegue impedir que estes seres voltem a cometer tamanha atrocidade.

 

Negativismo de parte, não se esqueçam que há muita solidariedade, entre madeirenses e portugueses no geral. Um exemplo que vi ontem que pode parecer banal para alguns, para mim teve uma força brutal. Enquanto um homem, em entrevista, explicava o que ardia, um jornalista perguntou-lhe se o animal que tinha debaixo do braço era dele, ele disse que não, que encontrou a arara na rua. Estamos unidos, com vontade de ajudar tudo e todos.

 

Sei que a maior parte das pessoas a quem este texto vai chegar sente-se impotente, mas todos podemos fazer alguma coisa, sem correr riscos. Se estão na Madeira, comecem por acolher amigos em necessidade e os animais que andam à solta. Se não podem fazer isto, talvez possam contribuir com bens essencias. Se sim, desloquem-se ao RG3, na Nazaré. Não precisam de criar pânico, só mostrar que estão lá. Aos que, como eu, não estão e querem ajudar, a Caritas reforçou ontem que podem contribuir para o seguinte IBAN: PT50 0035 0697 00597240130 28.

 

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Lugares

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D