Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

13
Set17

E se o seu filho quiser experimentar um vestido?


Leonardo Rodrigues

pexels-photo-459953.jpeg

A resposta mais simples de todas é: pode ser que, noutra vida, tenha sido escocês. 

Porquê é que eu me lembrei de escrever tal coisa? Ora, uns pais no Reino Unido retiraram o seu filho da escola porque outro aluno, com 6 anos, foi autorizado a usar vestido. Acham que a escola os deveria ter consultado, acerca da vida de alguém que não está a seu cargo.

Muitas crianças, por todo o mundo, sentem que nasceram num corpo errado. Isto não tem nada que ver com orientação sexual. Por exemplo, pode haver alguém no corpo de uma rapariga, que sinta que é um homem, e que goste de mulheres. Aqui, mesmo necessitado de uma mudança, é heterossexual. 

E, por muito que nos custe a perceber, pode não ter nada que ver com isso. Pode simplesmente preferir usar um vestido, sem isto carecer de psicanálise. Realmente, e não me acusem de politicamente correto, se uma mulher pode usar calças, porque não pode o homem usar um vestido ou saia, se assim entender?

Quando era mais novo, lembro-me de dois dias em que experimentei coisas de senhora. Vesti um vestido, calcei uns saltos e pintei-me, ou borrei-me, de maquilhagem. Noutro, depilei tudo, até as sobrancelhas. Não tinha esta referência da minha mãe, ela apenas tinha os sapatos de salto guardados, nunca usou a bendita maquilhagem, com muita pena minha. Eventualmente, começou a pedir-me que lhe tratasse da manicura e, isso sim, foi um tiro pela culatra. 

A verdade é que quando vi o resultado não gostei, continuava a identificar-me com as roupas de sempre. Se tivesse sido doutra forma, acho que não haveria ninguém capaz de lidar com isso à minha volta, o que teria tornado tudo ainda mais complicado. 

Será que temos mesmo de ensinar a complicar a vida dos outros? Quando digo complicar, não estou a colocar em pé de igualdade o sentido crítico. Devemos questionar o que nos rodeia, e procurar saber mais. Nunca escolher isolar-nos a nós, ou outros, de uma questão que merece ser compreendida. Desconstruir, desconstruir, desconstruir. 

Para responder, pelo menos hoje, a uma questão que coloco aos outros, se o seu filho quiser experimentar um vestido, tem que agir com a naturalidade com que o deixa brincar com um carro, ou permite que leve a camisola azul para a escola novamente. Ninguém fez nada errado, apenas vamos todos crescer para ser o que sempre fomos, e é mais fácil se houver sempre apoio.

 

Deixo-vos a entrevista com os pais, à BBC:

 

 

 

05
Ago17

In a Hearbeat - E se dois meninos se amarem?


Leonardo Rodrigues

17635144_1804408209776441_7516012898440125556_o.jp

Há um novo vídeo a correr a Internet de uma ponta à outra. É da autoria de Beth David, e chama-se, traduzido por mim, Numa Pulsação. Cá em casa vimos esta curta ontem, por duas vezes, e não deu para conter a comoção. Este sucesso mostra, de forma simples e inocente, a possibilidade de amor entre dois meninos. Acho que o faz da forma certa, sem chocar, tornando mais fácil explicar o amor a todos. E, prova, novamente, que o amor não escolhe um sexo, por mais que os olhares possam não estar habituados. Por vezes, quando o nosso coração escolhe, somos julgados. Mas, para amar, lá está, há coisas que não podem importar, como o sexo, a cor, a idade e as opiniões dos outros. Como ouvi no outro dia, amor é amor. Se o coração falar mais alto, o amor não tem remédio senão vencer, sempre. Além de mexer convosco, acho que, em 4 minutos, estarão com um sorriso no rosto.

 

Acompanhem o blog através do Facebook.

 

12
Out16

"Quando tinha a tua idade é que era bom"


Leonardo Rodrigues

Quando viajo até à infância lembro-me sempre de algo novo, por vezes empolgante, mais frequentemente devastador. Uma que tenho visitado com frequência é o desejo de crescer, ser mais velho, ter isto e um pouco mais daquilo. Queria, essencialmente, deter O segredo. Achava que esse segredo iria permitir entender o puzzle todo e dar-me a certeza no olhar.  Os adultos até podem ter comprado O Segredo de Rhonda Byrne, como eu, mas na realidade ninguém sabe o que está a fazer. Não há manual de instruções nem nunca houve. O livro é engodo e a vida também. Mesmo sem saber tanto quanto fingem, numa coisa não mentiram, quando tinha a tua idade é que era bom, sempre nostálgicos. Pois era. Por mais que tudo corresse mal, o mundo era um lugar mágico, onde as incertezas eram só portais para um local ainda mais mágico e misterioso. Tudo estava para acontecer. À minha volta parece apenas que à medida que o tempo passa deixamos de saber dançar junto destes portais, afinal agora como temos certezas e sabemos o que fazer, não há lugar para istos e aquilos e nada pode ser diferente. O segredo, no máximo, é que não há segredos desta natureza e que, nada sendo resultado da concretude das coisas, está tudo a um sopro de voltar ao pó. Temos de dançar e ser crianças. Era bom.

1048236_1607151656178850_321971075478503131_o.jpg

 Uma fotografia mais nítida não foi possível até a data de redação deste post

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Lugares

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D