Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

06
Jul15

O que esperar quando se espera: pouco, provavelmente nada


Leonardo Rodrigues

103H.jpg

Queria muito escrever sobre amor, mas pior do que me faltarem as palavras é faltar-me o amor.

 

E, ainda pior do que me faltar o amor, é não saber se tal coisa realmente existe, se é mais uma das loucuras que a Disney em parceria com os nossos pais nos meteram na cabeça quando éramos mais novos. 

 

Já acreditei várias vezes que tinha encontrado o tal grande amor da minha vida, mas não tinha, ou não me tinham encontrado. Quanto a quem acreditou ter encontrado em mim, não consegui encontrar de volta. Passamos assim uma vida, a imitar retas paralelas que por mais que gostem uma da outra vão estar sempre desencontradas. 

 

Recentemente julgo que tive(mos) a Oportunidade da minha(nossa) vida. Quando temos Oportunidades que se escrevem com letra maiúscula tentamos agarrá-las com tanta força que desaparecem por completo. Os que já se permitiram agarrar a areia, mesmo sem saber porquê, puderam aprender esta lição da natureza.

 

Estas Oportunidades, se estiverem a ser vistas de ambos os lados da mesma forma, vêm com expectativas mútuas - fabulosas, mas que só acontecem nos guiões dos filmes, na vida real é preciso tempo. Este tempo, por mais bonito que seja, para ter rótulo de qualidade, tem de estar livre do pensamento “Isto tem de resultar”. 

 

Algo que supera a loucura das expetativas talvez seja a vontade desmedida de agradar, o medo de se dizer algo de errado, quase que o medo de sermos nós próprios - não vá o outro não gostar de qualquer coisa - , e assim se destrói o que começou naturalmente com um futuro. Não matamos apenas o que era, mas o que é e o que poderia ter sido. 

 

Enfim, meus caros, nada de esperas e uma boa dose de calma. O que tem de acontecer acontece, quando é suposto. Vamos lá ver o que está reservado no próximo fascículo que ainda não foi escrito. 

 

Depois do desabafo que não queria muito desabafado, mudei o meu estado de relacionamento para “à procura de ser encontrado”.

 

 

10
Jun15

Cio Emocional


Leonardo Rodrigues

 

11414862_10204431717417458_1633169343_o.jpg

 

Há umas semanas teorizei acerca do facto de andarmos todos a ficar para o puta. Talvez não seja bem assim.

 

Não se pode negar que isto de ser humano vem com uma forte componente sexual, com certas necessidades. No entanto o que me tem parecido é que estas necessidades cada vez mais se apresentam como falsas necessidades, parece que é isto, mas afinal é aquilo e, aquilo, às vezes até nem era nada.

 

Permitam-me, então, reformular, não estamos “mais para o puta”, estamos - alguns - apenas com o Cio Emocional. Precisamos de sentir. 

 

A este pseudo conceito, como todos aqueles outros que invento durante o dia - e noite, quando a insónia quer - , cheguei através de uma conversa com amigos. A conversa foi qualquer coisa como: Acho que estou com o cio, Então mas não tiveste sexo há 5 minutos, Sim, Estás com o cio emocional, mas é. Não importa quem estava com o quê ou, melhor, quem achava que estava com o quê.

 

O que importa, sim, é perceber isto do cio das emoções, dos afetos. A primeira definição que me surgiu foi: quando te falta qualquer coisa, achas que é de sexo que se trata ou que isto a pode tratar e, uma vez a “vontade saciada”, o estado persiste. Continua a faltar qualquer coisa. Talvez fosse apenas de um abraço que precisasses, daqueles mais quentes, que duram horas. O melhor que já me disseram foi “Não precisas de uma foda, precisas de um abraço, vem cá” - imaginem tal coisa dita em inglês. 

 

(Talvez até nem se precise de nada, se calhar falo daquilo do querer sempre mais, que não se pode saciar nem com sexo, nem com nada.)

 

No terreno - dating world, sex dating world - percebe-se, duma parte e da outra: Falhou uma vez, Não falhou mas está longe, Nunca encontrei ninguém, nem nunca vou encontrar, Já perdi a esperança. Parou-se de procurar algo mais porque no passado correu mal, porém, e isto deve ser repetido quantas vezes forem necessárias: só o presente importa.

 

E olhem, não há como procurar, mesmo que se magoe aqui e ali, aprende-se. Popularmente há quem diga que quem procura sempre encontra, outros que é quando não se procura que aparece. Que venha o cupido e escolha!

 

A definição que apresentei acima não é, de todo, científica, eu também não o sou. No entanto, para tornar isto o mais abrangente possível, fui perguntar a alguns dos meus amigos, - do estudante ao professor, do homossexual à heterossexual - , o que era isto do cio emocional, se existia, se é igual para ambos os sexos, qual a experiência. As respostas confirmaram a minha teoria, deixo-vos as passagens mais interessantes:

 

“Cio emocional é um frustrante estado de alma, consumado com o despertar da mente, após uma fugaz satisfação sexual. (…) Oferecemo-nos ao outro aos pedaços. Somos inteiros apenas nos momentos de frustração, em que a inquietação sobre o que realmente queremos impera. A superficialidade da rotina, do encontro imediato, da rapidez do toque, não preenche e não basta a quem planeia um pouco mais para si e, eventualmente, para o outro a seu lado.”

P.L., estudante, Lisboa

 

“Não sei em termos de psicologia humana, com certeza que há estudos sobre isso, mas pela experiência que eu tive, achei que tive as duas carências: a física de sexo e prazer físico, é claro, a emocional também... Ou seja, no meu caso não era falsa ilusão de sexo, porque queria a sensação é prazer físico, mas a parte emocional seria a que mais procurava, talvez. Em cada homem que eu pensava em ter sexo, seria sim com o fim de construir algo mais e de me preencher algo emocional.”

C., médica, Porto

 

“Quanto ao Cio Emocional, sem dúvida que existe. Seja mascarado de carência, afectos a transbordar, tesão de alma, ou de entre-pernas, medo de solidão, "achar que desta é que é", lá que existe, isso sem dúvida. E, Leonardo, se se conseguisse disfarçar o (não ter) afecto com o sexo, estávamos todos saciados e apaixonados pela nossa mão direita, à excepção provavelmente dos canhotos.”

M.F., psicólogo 

 

“Cio emocional é quando tu precisas mais de um abraço do que de um orgasmo, mas optas pelo orgasmo porque nos dias  de hoje é mais fácil arranjar quem nos foda do que quem nos abrace. Nos primeiros cinco minutos depois de me vir estou satisfeito. Depois o efeito acaba e volto a me sentir sozinho. Geralmente não procuro compensar o lado emocional/afetivo desta forma, mas há quem o faça. Parecem hamsters sempre a dar voltas no mesmo sitio. Vai chegar o dia em que ja comeram todos e a noite vai ser passada sem companhia. É preciso parar para fazer um balanço.”

L.C, Lisboa

 

“Sei que estou constantemente a precisar de carinho e de sentir que sou amada, e o sexo acaba por ser a forma mais fácil de o conseguir, mesmo sendo uma ilusão e por meros minutos.”

C.P, estudante, Lisboa 

 

“Acho que sim, especialmente numa relação entre dois homens, é de cio emocional que se trata. A maior parte procura afecto e não sabe, pensa que só quer sexo, mas não quer. Quer afecto, mas tem medo dele, das emoções e por isso, depois da queca, adeus adeus

Estão numa eterna busca por alguma coisa até darem conta que já comeram Lisboa inteira. Os amores chegam e vão ainda mais depressa do que chegam. Mas, se conseguires nutrir boas amizades, parte da tua necessidade de afecto fica resolvida. Claro que há sempre uma componente mais íntima em que os amigos não entram. As pessoas esquecem-se que o sexo é, possivelmente, a maior troca energética que dois humanos, ou mais, podem fazer, e nessa troca acontece muita coisa, a outros níveis. É um acto que deve ser feito de forma responsável e não só porque sim.”

S, lisboa 

 

“A mim "cio" nunca me deu, dá-me mais falta é das outras coisas mais básicas de um casal. Por exemplo, no outro dia, com quem estou agora fizemos sexo e depois fomos ver um filme e sinceramente gostei mais do pós-sexo do que o sexo em si, e não estou a dizer que o sexo foi mau. Quando iniciei a minha vida sexual só procurava sexo, depois cheguei a uma fase em que queria mais, mas alguma coisa dentro de mim não deixava que eu gostasse de mim mesmo. Só após arranjar este grupo de amigos, no qual sou abertamente gay, é que consegui aceitá-lo e falar abertamente. Conseguir dizer que sou gay permitiu-me procurar algo mais do que sexo. Agora sim, sinto-me eu.”

F.N, estudante, Porto

 

“Sim, ja acreditei que precisava de ter sexo para estar bem, e acreditei mesmo, pois dava-me energia e tudo isso. Entretanto, sabemos que não precisamos de nada disso, nem do afeto dos outros… Acreditava tanto, que criei dependência disso, loucura absoluta. Isto aconteceu, em período de grande confusão. A ilusão do sexo é de facto grande. De qualquer modo o ter sexo faz parte da nossa condição humana. Para se estar bem, é que já e outra coisa. Eu já acreditei nisso! Mas o mais curioso, é que de um modo geral eu ficava bem, depois disso, a carência, vinha no dia seguinte. Há sempre essa carência!”

L.C, professora, Madeira

 

"Isso tem tudo a ver com carência emocional, com distorção de sentimentos, com afetividade apenas por mero prazer. Cio, ok, cio porque regemo-nos por apetite sexual, pelo desejo do momento e daí que as traições sejam, por vezes, casuais. A questão é: qual a barreira que nos impede de utilizar o nosso corpo, enquanto trunfo pessoal, para o que nos der na gana?"

J, professora, Açores

 

A conclusão razoável a que podemos chegar é que tanto o sexo como o afeto são necessidades a que temos de dar resposta, mas que são complementares. O sexo é como uma droga: ajuda a esquecer, mas apenas temporariamente, nunca é suficiente e traz ressaca. Tudo nesta vida deve ser visto como um todo. Nada do que eu ou os meus amigos escrevemos se pode apresentar como verdade absoluta, pessoas diferentes funcionam de formas diferentes, mas que se reflita sobre as coisas, que vivam felizes para sempre que é isso que se quer. E não se esqueçam do que o nosso argumento de autoridade disse: “se se conseguisse disfarçar o (não ter) afecto com o sexo, estávamos todos saciados e apaixonados pela nossa mão direita, à excepção provavelmente dos canhotos.”

05
Mai15

Dr. Mouco, amigo de Pessoa e compadre de Salazar


Leonardo Rodrigues

orpheu_img.jpeg

Se não sabem quem foi o Dr. Mouco, muito provavelmente também não sabem quem foi Albino Menezes, e são a mesma pessoa. Embora tenha estudado a maior parte da minha vida numa rua com este nome, por pouco não soube, mas por pouco sabíamos todos.


Digo isto porque este senhor, se não fossem as dificuldades financeiras dos que viriam a ser grandes a título póstumo – Fernando Pessoa, Almada-Negreiros, Mário Sá Carneiro, Santa-Rita Pintor - , talvez também pudesse ter vindo a ser um conhecido do público português, através da publicação atempada do terceiro número da Revista que marca o início do Modernismo em Portugal e a rotura com o Realismo, Orpheu.


Não há grande informação sobre o Dr. Mouco, então, há dois anos, fui convidado a ir para a rua descobrir o que podia sobre o senhor. Na altura vivia no Faial, freguesia do concelho de Santana, naturalmente que poucos tinham algo a contar, e os que tinham eram os tão sábios mais velhos. Como devem calcular não descobri nada sobre a sua obra, mas sim o que anda de boca em boca numa terra em que os pontos acrescentados aos contos são mais do que muitos.


As pessoas com quem falei descreveram-no como boa pessoa, bom escritor, educado, alto, nem magro nem gordo. Devido a certas atitudes uma senhora disse-me que este era um “aloucado”. Esta fama ou má fama fica a dever-se às trocas que fazia do registo da população, no decorrer das suas funções enquanto conservador do Registo Civil de Santana. Não só trocou datas de nascimento, como trocou e adulterou nomes.


Estas trocas deviam-se à sua condição de mouco. A sua audição foi afetada aquando de um ferimento em tempos de guerra. Ainda assim, há quem conspire que o senhor tanto estudou para se tornar doutor que enlouqueceu, passou a ser um “aloucado”. Estas pequenas loucuras levaram a certos problemas. Uma das senhoras com quem falei teve dificuldades em casar uma vez que a data de nascimento que constava nos registos da igreja diferia da que estava no Registo Civil.


Outra fonte revelou-me que um dos seus tios ficou com o mesmo nome do seu respetivo pai,  em vez do originalmente desejado, António de Sousa Freitas, acabou como Manuel de Sousa Freitas, filho de Manuel de Sousa Freitas.


Grande parte daqueles com quem falei mencionaram o facto de o Doutor Mouco ter um “magote de filhos”, filhos estes “que o seguiam que nem cachorrinhos”, para onde quer que fosse. Segundo consta, quando isto acontecia, gritava-se “Olha! Olha! Lá vai o Doutor Mouco com os filhos atrás!”. Conta-se, ainda, que estes seus filhos eram de uma empregada de São Jorge. Não me sabiam dizer muito sobre a mesma, apenas que tinha cabelos longos, que era uma “brutalhoa”, uma “jangalheira”, expressão que dá conta do não saber andar, de andar com um “andar jogado”.

 

Algo que advinha da sua profissão eram as deslocações deste até à freguesia do Faial para deixar em casa de “Domingos da Venda” os registos, documentos oficiais. Contudo, esta visitas ao Faial não se resumiam a negócios. Negócios e prazer, ou tentativa de prazer, misturam-se - sempre. Embora este nutrisse uma grande estima pela empregada com quem estava “amigado”, o doutor aproveitava estas visitas para visitar uma viúva rica, a quem pediu em casamento, muitas vezes. A filha da dita senhora lembra-se de que o doutor se apresentava com uma toalha de cetim a cobrir os ombros e dizia: “Não se assuste com esta fileira de filhos, que são filhos de uma mulher vulgar”. A viúva que cumpriu luto fechado, durante 15 anos, usando um tule preto, uma espécie de chapéu que cobria a face -  destinguindo-a, assim, das pobres que se restringiam ao uso de um lenço – , luvas pretas e vestido a condizer, não aceitou. Limitava-se a ficar atrás do balcão da “venda” da qual era proprietária.


Para além destes mexericos ou "bilhardices", como se diz na minha terra, descobri algo de interessante, este "Doutor" não só estudou com António de Oliveira de Salazar – “Doutor Salazar” - , como veio a ser seu compadre.


Atualmente, no Faial, ainda vivem netos e bisnetos desta personalidade. No entanto, a forma como vivem talvez não faça jus a este grande homem, que foi, erradamente, considerado louco.

 

Louco ou não, de médico, poeta e louco todos nós temos um pouco.

 

(A primeira versão deste meu trabalho foi publicada na revista Pedras Vivas, por quem me reensinou a escrever e a pensar, a minha professora de português do secundário, Maria Vieira.)

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Lugares

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D