Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

27
Jun16

Surreal é a própria vida: próxima exposição de Thomas Mendonça


Leonardo Rodrigues

 

13530617_1872675219626491_1233453654_n.jpg

 

As imagens têm um poder imediato que a palavra só pode ambicionar. Numa entrevista anterior, Thomas Mendonça falou-me da sua vida, de onde vem a sua estética, os porquês disto e daquilo, mas, só com o visionamento destas fotografias, que remontam ao início, nesta viagem pelas suas memórias, é que tudo fica claro e as peças do puzzle se unem: a mistura do pop com o “sério”, as brincadeiras de género e o surreal - que às tantas é bem real. Cuidadosamente retiradas de uma caixa de lata vermelha e dispostas sobre a sua cama, as fotografias de Thomas revelam uma infância onde se respirou surrealidade. Uma mãe que parece a Lady Di, um pai que só pode ter resultado dum cruzamento entre James Dean e Brad Pitt, o tio que decide ser apropriado vestir-se de mulher no final de ano. É notória uma forte presença de marcas que, já nos anos 90, estavam impregnadas nas nossas mentes como a Barbie, Mickey, Planet Hollywood e, ainda, pessoas vestidas de personagens do nosso imaginário coletivo como o Zorro e Bugs Bunny. É nestas fotografias que o Thomas pega para criar os desenhos da sua próxima exposição, “Surreal é a própria vida”, dando-lhes uma nova vida com contornos que realçam o surreal das mesmas, mantendo-se fiel à sua estética. Para além da visita guiada pelas suas memórias, o Thomas concedeu-me uma entrevista que já podem ler no dezanove, aqui.13530372_1872675279626485_663222540_n.jpg13553362_1872674996293180_446026029_n.jpg13552557_1872675269626486_360597231_n.jpg13553396_1872675276293152_904353251_n.jpg13552529_1872675249626488_1242439143_n.jpg

02
Mar16

Entrevista a Thomas Mendonça, parte II


Leonardo Rodrigues

A conversa com Thomas Mendonça, que começou assim, seguiu-se desta forma. 

 

LR: No caso da cerâmica há sempre um esboço, não começas a trabalhá-la só porque sim.

TM: Seria impossível fazê-lo. O impulso de pagar na cerâmica parte do principio que há uma ideia. Preciso de ter algum conhecimento sobre a cerâmica em si para a poder trabalhar. Não poderia ser de qualquer forma. Quando pego na cerâmica sei que terei de ter cuidado com alguma coisa, seja por causa da cozedura, seja pelos tempos de secagem, o que condiciona muito o que vou fazer. Tal como o desenho, não é uma ideia de todo fechada.

 

LR: Na fase inicial de criação tens sempre em vista a final, aquela em que expões?

TM: Sim, sempre que começo qualquer coisa tenho consciência que ela será vista ou partilhada.

 

LR: De que forma é que te condiciona, se é que te condiciona?

TM: Condiciona-me na forma óbvia, sabendo que será exposta. Foi feita para ser mostrada, há sempre uma intenção. Tenho vontade de as mostrar, se não tivesse essa vontade de partilhar não as faria. Ou não as faria para os outros, faria só para mim. Há uma vontade de comunicar algo.

 

LR: Chegas a ter medo do que as pessoas vão pensar acerca do teu trabalho?

TM: Não tenho medo, por vezes algum receio das opiniões, mas não é algo em que fique a pensar. A história dos gregos e dos troianos é um bocado para justificar estas coisas. Irei ter amigos e inimigos de qualquer forma, portanto há que ser genuíno e sincero. É a única forma de termos amigos e inimigos sinceros, que também são necessários.

 

LR: Os trabalhos artísticos não contam sempre uma história ou fazem uma crítica.

TM: Pois não, às vezes têm um caráter mais reivindicalista, noutras simplesmente estou aqui. Mas há sempre uma vontade, um propósito, por vezes é mais digno ou necessário. Por vezes, acontece ser só uma piada que acho que pode ser giro alguém olhar para isso e pensar "que estupidez". Às vezes são coisas mais sérias.

 

LR: Tens por hábito incluir elementos menos sérios, mais populares no que fazes, mesmo que só uma frase.

TM: Não são menos sérios, são o que são. Têm uma conotação popular e há muitos preconceitos sobre a pop, que é vista como uma coisa básica, fácil, consumista. Não vejo problema. As pessoas querem muito ser intelectuais. Eu também quero, acho que sou uma pessoa intelectual e interesso-me por muitas coisas. Interesso-me por Chopin, mas também gosto de ouvir Miley Cyrus. Sinto-me uma pessoa mais rica, mais eclética por isso.

 

LR: Consideras que essas coisas se unem? 

TM: Sim, porque temos dum lado uma coisa classicista, mas alguma forma muito popular. É requintada e tem mais brio. As coisas clássicas são muito vulgarizadas. As representações religiosas são clássicas, mas também são coisas muito vulgares, pop na mesma, imagens muito banais.

 

LR: Numa outra entrevista disseste que a Barbie e a figura de Cristo eram muito semelhantes porque as temos tão enraizadas em nós.

TM: Na nossa cultura, na cultura ocidental, são duas imagens muito fortes e muito presentes.

 

LR: Tão presentes que se tornaram vulgares?

TM: Lá está, uma coisa cultural. Eu não sou religioso, mas digo "oh meu deus". Olho para as imagens de Jesus Cristo e são banais. Tenho coisas dessas em casa e adoro ter. Também tenho um Cristo vestido de Barbie. Os ícones têm uma singularidade que acho muito tocante, de uma beleza trágica. A sua singularidade é trágica. O que é que há de mais banal do que um Cristo vestido de Barbie? Não há.

 

LR: Não achas que isso pode ser ofensivo para algumas pessoas?

TM: Percebo que possa ser, mas não o faço com essa intenção. As pessoas gostam de se chatear. Se todos os cristãos - que se sentem ofendidos - fossem a pensar, que diferença é que isso lhes faz? Não faz.

 

LR: Já vimos que a tua espiritualidade nada tem que ver com a religião, mas existe alguma?

TM: Existem algumas coisas mais ocultas em que tenho bastante interesse. Coisas que não percebo muito bem, mas que gosto de brincar. Interesso-me muito por astrologia, tarô, mas sempre numa abordagem muito descomplexada.

 

LR: Isso vê-se no teu trabalho?

TM: No meu trabalho e na minha vida. Tenho sempre uma abordagem que pode parecer provocadora, mas não é. É uma forma de quebrar o gelo e de rir um bocado sobre as coisas. É tudo tão sério, tudo tão chato e há coisas igualmente sérias e importantes ao mesmo tempo. Falar das coisas com naturalidade!

 

LR: Que a arte faz tão bem...

TM: Há muita facilidade na arte, mais facilmente um quadro vem a quebrar padrões do que uma entrevista que saiu num jornal. Tolera-se mais facilmente coisas no mundo das artes plásticas e visuais. Porque não aproveitar isso?

 

LR: Ainda sobre o vulgar, não achas que tenha de ser feio, nem menos bom e acabas por incluir isso nas tuas peças...

TM: Vou buscar muitas referências visuais à cultura pop, mas não me considero preso a isso. Gosto do clichê de algo muito banalizado, de coisas pirosas. A minha tia tinha umas cortinas horrendas dos anos 80 que adorava, eram umas de veludo cor de rosa bebé, com montes de laços e dobras.

 

LR: Isso influencia as texturas? Como é que as encontras?

TM: Tem que se riscar a peça. É uma coisa que gostei muito de fazer e que agora vou experimentando. Um desses padrões, pensei eu, parecem ser lágrimas, e veio-me uma piada "cry me a river, cry me a mountain, cry me a calhau" - porque aquilo são pedras.

 

LR: E a exposição que está para acontecer no dia 19 de Março, no Museu Geológico, porque lhe chamaste Poríferos Preciosos?

TM: Não foi propriamente uma decisão. Comecei por trabalhar com cerâmica há dois anos e houve uma distinção muito grande entre o meu trabalho de cerâmica e o resto, por exemplo o desenho. São duas técnicas em que posso explorar coisas diferentes. A cerâmica foi sempre uma linguagem mais minimalista, mais limpa e abstrata. São formas. Dá para projetar mais coisas e estas formas são naturais. No geral, vou buscar ao mar muitas referências de campos de corais. Os poríferos são a parte do reino animal que se refere à esponja e a esses seres feitos de poros. Acho que muitas pessoas pensam que os corais são plantas, mas são animais que fazem parte deste ramo do reino animal a que se chama porífera.

 

image.jpg

 

LR: Fazes algo que acho que torna o trabalho muito honesto, escreves dentro das peças e, por vezes, tapas tudo, tornando a mensagem impossível de ler.

TM: Foi algo que aconteceu, não sei se acidentalmente. Sei que uma vez escrevi dentro de uma peça e dava para ver. Às tantas tornou-se uma coisa quase sistemática, consciente. Algo com intuito de despertar um interesse que não seja só visual. O facto de as pessoas tomarem conhecimento desta questão pode criar alguma curiosidade em saber o que lá está. As pessoas vão, de facto, olhar lá para dentro.

 

LR: Mas fechaste algumas totalmente... Não querias que ninguém visse...

TM: Agora ficas a pensar no assunto... Se calhar dizem coisas mais pessoais, mais estranhas. Se as partirem podem ler.

 

E assim terminou uma hora de conversa. Visitem o evento da exposição, aqui, e fiquem atentos às próximas entrevistas na página do Blog Leonismos

 

 

22
Jan16

A ver: Os despojos do dia


Leonardo Rodrigues

image.jpg

 

Ontem foi dia, mais noite, de estar presente na inauguração da mais recente exposição de um grande amigo meu, o fotógrafo Rui Dias Monteiro, intitulada "Os despojos do dia".

 

Embora já conhecesse muito do trabalho do Rui e também já tivesse tido privilégio de caminhar e conversar com ele enquanto fotografava, só agora é que julgo ter entendido verdadeiramente o porquê de ele fotografar o que os outros deixam ficar, os despojos.

 

Ele vê e capta aquilo que nós muitas vezes já não somos capazes de ver, tanto que as coisas se repetem, tanto que as deixamos esquecidas. E, sem lhes dar valor, apelidamo-as de lixo. Isto aplica-se tanto à nossa capital, como ao local onde esta sequência foi capturada, Cabo Verde, como ao mundo.

 

O olhar meditativo do Rui só vem a provar novamente que menos é mais. Ele sabe-o e as suas fotos, na sua simplicidade, e "centralidade" como muito bem disseram, transmitem-no.

 

Enquanto muitos fotógrafos tendem a editar excessivamente os seus trabalhos, este limita-se a fazer pequenas correções de luz, nada mais. Tão simples quanto as coisas.

 

Neste trabalho é de salientar que nada é pousado, afinal de contas, para quê mexer no que tão perfeitamente ocorre por si, como que por vontade própria da natureza?

 

"Os despojos do dia" não pretende ser uma crítica à existência daqueles objetos esquecidos na natureza, é mais um convite a pensá-los doutra forma, a olhá-los com outros olhos: E se os despojos dos nossos dias não fossem apenas lixo, mas, com o passar do tempo houvesse uma fusão e se tonassem ornamentos, quiçá "jóias" da própria natureza?

 

É sem dúvida uma exposição a não perder. Aos interessados, podem visita-lá de terça a sábado, das 14 às 19, na Galeria Alecrim 50. Assim será até dia 5 de Março, pelo que certamente há de encaixar nas vossas agendas.

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D