Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LEONISMOS

LEONISMOS

23
Set16

"Parabéns Carris, pelo serviço de m***a"


Leonardo Rodrigues

13894989_1891368794423800_6692051736891903928_n.jp

 

Como não posso escrever uma reclamação por dia, vou escrever um post e deixá-lo cá para sempre. Os clientes da Carris sabem que a experiência, infelizmente, é intemporal, nunca melhora e só há sinais de que piore. Tenho visto os autocarros com "Parabéns Carris" e apercebi-me que é sentido de humor negro por parte dos senhores que não dependem do seu próprio serviço. Mas, como muitos não entenderão, eu explico o que eles querem realmente dizer: "Parabéns Carris, pelo serviço de merda -  já o prestamos há décadas".

 

Vivo em Lisboa há mais de 3 anos, mas só me queixo agora da empresa, o que se deve a diversos fatores: vivia ao lado da faculdade; andava fosse que distância fosse a pé e metia-me no metro quando estava cansado; utilizava pontualmente o autocarro. Nos últimos quatro meses, fruto do meu novo emprego, que fica nos subúrbios da cidade, entendi o mal de que todos se queixam: Carris, a merda da Carris. 

 

Dou por mim, metade da semana, a demorar mais de uma hora a chegar ao trabalho e, uns bons 90 minutos para regressar a casa. Se a Carris conseguisse cumprir com a publicidade enganosa, sob forma de horários de paragem, demoraria 30. Durante o verão, chegar a casa chegou a demorar-me 3 horas. Raros são os dias em que não me chateio.

 

Um part-time, com os tempos de espera, o sol das paragens, o ar parado irrespirável dos autocarros, torna-se num full-time.

 

Claro que já perguntei aos condutores o que se está a passar, eles não têm a certeza, mas também parecem cansados de conduzir com um sovaco na cara. Um respondeu-me: "eu saio quando eles me mandam sair".

 

É nesta frase que quero pegar para justificar a fotografia que vêem acima. São três autocarros da carreira 731 a chegar em simultâneo à paragem. Foram os três que falharam todos os horários daquela hora que estivemos à espera. Assim que o 1 º autocarro da frota parou, o motorista, em vez de tentar cumprir com 3º horário falhado, foi discutir com o que vinha em 2º lugar. Lá esperamos mais um pouco. Afinal, qual é o problema de todos os meses canalizar perto de 40 euros para treinar a paciência?

 

Foto explicada, falemos do famoso 750. Apanhar o 750 em Alvalade é desafiante, mais à frente, pode ser impossível. À hora que tenho de o apanhar, escreve-se na paragem que passa com a frequência de 11 minutos. Hoje esperei meia hora. Na semana passada esperei uma hora, tive que desistir de esperar e cheguei ao emprego 40 minutos atrasado. São menos 40 minutos no meu salário. Nem todos podem apanhar um táxi sempre que o serviço que pagam de várias formas não é cumprido.

 

Para os portugueses que vivem fora da nossa capital excecional, até vou dar mais contexto. A carreira do 750 passa, entre o Oriente e Algés, por muitas zonas onde o metro não chega e acaba por ser a melhor alternativa para um número considerável de passageiros, que trabalham longe da sua residência. É feita todos os dias por autocarros biarticulados velhos. Não me recordo de, nestes últimos meses, ter entrado num que tivesse o ar condicionado a funcionar, embora o vidro apregoe que tem - já nas paragens a informação não vale muito. Refiro-me a este autocarro como o autocarro do terror.

 

image

Todos os dias este autocarro biarticulado vai cheio. As pessoas, desesperadas, porque estão dependentes para cumprir horários, entram pelas portas traseiras. Ficamos encostados uns nos outros e para sair há necessidade de empurrar. Respirar bem não é possível fruto da inexistência de ar condicionado. Durante uma hora, respiramos tão bem como numa ETAR.

 

Naqueles autocarros onde o ar condicionado funciona - existem -, é possível que o deixe a cheirar a mofo ou que fique demasiado frio, mesmo com os 30 graus no exterior. 

 

Há algo ainda mais curioso, acho que a Carris é uma nadinha elitista. A qualidade dos autocarros e frequência dos mesmos parece-me variar de acordo com as zonas. Um autocarro biarticulado que vá para as Amoreiras(783) é novo, o ar condicionado funciona sempre e até tem wi-fi. Enquanto espero por um 750 cheio, passam 783 - um cheio, os outros dois quase vazios. Coisas semelhantes acontecem com outras carreiras, mas o post vai longo e ainda não me queixei do 714.

 

O 714 é outra das 3 possíveis carreiras que posso apanhar junto do meu trabalho, sendo que no regresso é a única que faz sentido. Para além do elevado tempo de espera e de muitas vezes só passarem autocarros num sentido, o autocarro fica completamente cheio em Belém devido ao elevado número de turistas, à semelhança do elétrico 15E. Todos os dias o autocarro tem de saltar paragens porque já não cabe mais ninguém. Mais frequentemente do que queria, saio várias paragens antes porque é insuportável continuar a viagem que paguei naquelas condições.

 

Claro que se fosse para escrever sobre as pequenas infrações dos motoristas, por vezes má educação, não acabaria o post hoje e estaria a fazer generalizações injustas. O problema está lá em cima. Todos os dias, dou por mim a falar com estranhos na paragem, para desanuviarmos acerca do quanto a empresa mexe com as nossas vidas. Nem sei o que sugerir, não me pagam para isso. Acho que se a empresa conseguir cumprir com os autocarros previstos já é um bom principio e nós agradecemos.

 

 

2 comentários

Comentar post

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D