Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LEONISMOS

LEONISMOS

07
Dez15

À deriva


Leonardo Rodrigues

image.jpeg

 @leonismos

 

Comecei a escrever este post antes, mas, como que por artes mágicas, apagou-se. Então, vou fazê-lo outra vez.

 

Ao que parece não tenho escrito, pelo menos é o que me dizem. O que não tenho feito é publicar e, como não partilho e não torno público, acham que não existe.

 

Até que existe, mas apenas listas com afazeres e pensamentos que surgem tão rápido quanto desaparecem em notas no meu telemóvel, acontece que juntos não fariam um texto coeso. Podia, claro, pegar em cada um deles, trabalhar as ideias, passá-las a parágrafos que amontoados haviam de formar um texto e, por fim, partilhar, para existir para os outros. Isto faz-me pensar, e serei redundante, que pensar já não chega para existir. A máxima, mesmo sem blogues e "facebuques", deveria ter sido sempre Partilho logo existo. Que Descartes me perdoe a heresia. Não o tenho feito.

 

Os motivos concretos para a minha ausência de existência online deixo para mais tarde - talvez sob a forma de conto que ainda não sei se pode ter essa designação.

 

Posso, e porque me apetece, dizer que estive à deriva. O Facebook não tem este estado e talvez por isso eu não soubesse, teve que me o dizer o Samuel Pimenta, que vocês já devem conhecer e que vou citar não tarda.

 

Estar à deriva, apercebi-me logo, é estar por aí a ver onde é que a corrente nos leva, mas sempre com muito medo dos Adamastores da vida.

 

O Samuel acha que tem que ver com a cidade, Lisboa, que "é uma serpente: hipnotiza-nos com a luz dourada para depois nos engolir."

 

Isto, segundo parece, tem tudo que ver com questões geoespirituais - se a palavra não existia, aqui têm uma nova. Percebam o que quero dizer com o mito que me foi contado: "Quando Ulisses passou pelo nosso território, Portugal era conhecido como o reino de Ofiússa, o reino das serpentes. Em Lisboa, governava a rainha das serpentes, uma mulher-cobra que hipnotizava todos os homens que dessem ao cais, dormia com eles e devorava-os depois. Acontece que, quando Ulisses atracou em Lisboa, fingiu-se enamorado pela rainha, passaram a noite juntos e na madrugada seguinte, antes de ela acordar, fugiu. Dizem que as 7 colinas de Lisboa são o que resta dos espasmos da rainha-serpente quando saiu rumo ao oceano, atrás de Ulisses."

 

Enquanto lisboetas e recém lisboetas, não temos de lidar apenas com a maldita da saudade, também temos de lidar com fúria de uma cobra mais letal que todas as outras, Ofiússa .

  

A conclusão a que chego, sendo eu duma geografia cercada de mar, tal como Ulisses, é que preciso de desenvolver a minha relação com o rio que quer muito ser mar, o nosso Tejo, na esperança que também me permita salvar dos (des) encantamentos dos monstros da cidade e da vida.

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Copyrighted.com Registered & Protected 
HMLF-E7YY-MGTC-ZU7E

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D